Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

queremlaver

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

COMO POUPEI MAIS DE 2000 MIL EUROS?

 

 

Antes de avançar, esta é a minha experiencia pessoal, de acordo com a minha realidade. O objetivo deste texto é tentar dar algumas dicas de poupança que utilizei ao longo do ano. Nunca será ofender ou vangloriar-me. Até porque “toda a gente” sabe que eu era uma pessoa com muitos problemas financeiros e sempre tive coragem de admitir isso. Note-se, o verbo “ser” está no passado.

 

Tive algum receio em publicar este texto, mas está na altura de fazer os devidos balanços dos objetivos. Acho que está na hora de refletir e perceber como é que eu consegui chegar onde queria.  Para não me esquecer e manter!

 

Consegui mudar num ano. Como? É exatamente isso que pretendo partilhar. Repito, é a minha experiência, obviamente que a realidade das outras famílias é diferente da minha. Também podem ler os textos que escrevi ao longo deste ano para ver algumas situações.

 

Ao contrário dos que possam pensar não precisam de ficar sem vida social para poupar alguns euros. O melhor deste exercício de poupança é ver as mudanças ganharem frutos e ficar com vontade de poupar cada vez mais. Mudamos por dentro. O meu estilo ligado ao minimalismo também está bem implementado na minha mente e não sinto nenhuma espécie de tristeza por não adquirir “coisas”. Pelo contrário.

 

Não tenho um ordenado enorme, somos quatro em casa e tenho as despesas comuns da maioria (casa, carro, água, luz, alimentação, seguro, gasóleo, infantário).

 

Vamos à lista:

 

- Muita força de vontade

Para mudar foi preciso muita força de vontade. Eu queria realmente mudar e transformar as minhas finanças. Sobretudo a minha relação com o dinheiro. E isso é o primeiro passo. Sério. Deixar a típica frase: “não consigo poupar”. Mesmo para os mais céticos, não há volta a dar, a força de vontade é tudo.  Mas não chega, claro.

 

- Organização

Experimentei vários métodos de organização. Comigo só funcionaram os mais simples. Faço o registo diário das despesas no meu Bullet Journal. Consegui ver onde gastava mais dinheiro e comecei a fazer mudanças nos meus gastos. Foi perfeito. Agora é um hábito diário.

 

- Parei de fazer compras

Pois, não há milagres. Uma coisa aqui, uma coisa acolá são sempre euros que saem. A roupa e os acessórios de moda deixaram de fazer parte dos meus gastos. Os livros preencheram uma percentagem mínima dos meus gastos. Antes faziam parte de uma percentagem muito grande. Nada de comprar tecnologia a crédito ou ir a correr investir num novo portátil porque estraguei outro. As compras são feitas só em promoções. E de forma coerente. Também deixei de ir tanto aos centros comerciais ou tirar um dia para fazer compras.

 

- Abri uma conta poupança

Foi um pequeno grande passo para poupar. Comecei a colocar uma pequena parte na conta no inicio de cada mês e o dinheiro que sobrava no final também. A tendência no passado era gastar o dinheiro que tinha sobrado. Um erro. A conta engordou aos poucos desta forma.

 

 

- Férias sem luxos

Este ano optámos por fazer férias mais contidas. Foi uma escolha em família de forma a usufruir de outras coisas como restaurantes e passeios. É possível viver com o mínimo e estar bem. É possível ter as condições básicas, estar feliz com um dia de praia e conhecer lugares bonitos em Portugal. O luxo é uma questão relativa. Para mim estar de férias com a minha família já é um luxo, sobretudo se estivermos com saúde. Não sou exigente. Também fui a Paris e consegui com pouco fazer o que queria. Fiquei na casa de uma tia o que facilitou imenso as despesas, o lugar era muito bonito e a casa dela um pequeno luxo. Viajei muito de comboio e metro no centro de Paris.

 

- Pagar dentro dos prazos

Uma mudança significativamente foi o pagamento das faturas dentro dos prazos. Pagava sempre juros por causa de um dia de diferença. Também pagava imensos juros do cartão de crédito até ao dia em que paguei o cartão de crédito na totalidade e acabei com essa despesa. Acabei com o cartão de crédito dos supermercados também. Falta-me o crédito do carro que pretendo pagar antes do prazo. Veremos como corre o próximo ano.

 

- Vendi

Na verdade, só vendi o meu Kobo, mas de grão a grão… É uma opção para quem quer ver entrar alguns euros e ficar com menos tralha em casa.

 

- Procurar soluções

O caso das finanças que eu contei este ano é um exemplo. Antigamente pagava e não ia atrás de reclamar seja o que for. Mas temos de ir atrás, perguntar, poupar todos os euros possíveis. Ver os juros, colocar todas opções em cima da mesa e escolher a mais conveniente.

 

 

- Marmitas

Gastar o mínimo fora de casa compensa imenso. Desde lanches, cafés, tudo o que der para poupar eu sou fã.  Mesmo na escola evito ao máximo, prefiro comer em casa.

 

-Seguro de saúde

Para despesas de saúde utilizei sempre o seguro de saúde.

 

- Uma só viagem

Imaginem que pegava no carro para ir até Lisboa. Tentava conciliar tudo o que precisava para esse dia de forma a não gastar mais em portagens e gasóleo.

 

-Fiz muitos programas em casa, em família

Jantares com amigos fica mais em conta feitos em casa. Ou lanches. També não me importo nada de ficar em casa a ler, a fazer desenhos com os miúdos e ir à biblioteca ou ao jardim dos arredores.

 

- Li e pesquisei muito

Verdade, li alguns livros e vários artigos na internet sobre o assunto. Foram fulcrais para as minhas escolhas. Todos os links partilhados no grupo de poupança ajudaram-me muito.

 

Por favor, larguem a ideia que não conseguem poupar e organizem-se. É importante alterar certos hábitos enraizados e mudar a postura. Mesmo que seja pouco, sempre é alguma coisa. Eu era assim, sempre achei impossível construir uma poupança ou sentir esta segurança financeira. No entanto, acho possível melhorar e pretendo poupar mais no próximo ano. Pretendo ser melhor na arte da poupança e tudo farei para continuar a cumprir estes tópicos.

 

Instagram @ClaudiaOSimoes

 

COMO CORREU A BLACK FRIDAY?

 

Na sexta feira fui às compras por volta das 20 horas. Dolce Vita Tejo, o meu centro comercial preferido para fazer compras. A única loja que falta ali dentro é a Fnac. Depois do Dolce Vita é o Colombo, mas nem sequer ia arriscar ir num dia de Black Friday. Felizmente não estava muito caótico e deu para fazer as compras nas calmas. Só na restauração é que estava uma confusão, mas consegui arranjar mesa mesmo assim.

Comprei sobretudo roupa os meus filhos e um presente de Natal. Para mim comprei umas botas com um preço absurdamente barato com um padrão giro, duas camisolas quentes e collants opacas. Não gostei muito das promoções praticadas, prefiro desconto direito do que as campanhas (compre 3, pague 2; compre 3, receba 3). Faltou vários itens da lista, mas decidi comprar em saldos. Tenho tempo.

No sábado voltei às comprei, mas desta vez fui ver o Fórum Montijo. Já não ia ao Fórum há muito tempo. Era para passar no Freeport, mas estava a chover e li algumas criticas no Facebook que me desanimaram. O Fórum Montijo está bonito, decorações lindas e as promoções eram boas em algumas lojas. Consegui um presente por metade do preço em relação ao preço do Dolce Vita. Ainda bem que esperei. Também comprei um brinquedo de qualidade a um preço muito acessível. Comprei roupa na New Yorker, mas o meu marido quis oferecer tudo como presente de Natal. Estava a precisar de renovar algumas peças já gastas. No final do dia quando regressei a casa lembrei-me que tinha as camisolas grossas guardadas numa caixa debaixo da cama. Voilá, fiquei com o armário cheio de roupa “nova” num fim de semana. E gastei muito pouco.

Quanto aos livros aproveitei bem as promoções. Hoje chega a primeira encomenda, quarta talvez chegue a segunda. Em ambas as encomendas vou receber um livro grátis. Não cedi em outras compras ( e-reader, câmara e portátil novo) depois de ter ponderado bastante se valia realmente pena e quais eram as minhas prioridades.

Muito satisfeita com o meu comportamento consciente. Vou conseguir poupar mais do que estava previsto.

CONCLUSÃO | ZERO FORA DE CASA

 

Na quinta adoeci e acabei com gripe e enfiada na cama. Ainda não estou totalmente recuperada, assim que o efeito dos comprimidos começa a passar sinto-me fraca e esquisita. Foi uma semana mais curta e menos consumista. Felimente já tinha vários medicamentos cá em casa (dentro do prazo, de preferência). Conclusão, comi fora uma vez e gastei cerca de 6 euros. Também comprei o Expresso por causa do livro grátis do Eça de Queirós. 

 

Foram duas semanas de poupança. Não cedi a nenhuma promoção e não me custou nada. Estou mais do que satifeita porque se tudo correr bem vou terminar o final do mês com mais 200€ na poupança. 

 

 

saldo da primeira semana: 10€ em comida fora de casa | 47.10€ livros, cinema e roupa da minha filha | 57.10€ gastos no total 

saldo da segunda semana: 6€ em comida fora de casa | 3,50 jornal | 9,50€ gastos no total

 

 

Dica: tenha em mente sempre o seu grande objetivo

 

Gostaram deste desafio? Querem mais?

O BALANÇO NECESSÁRIO ANTES DE TERMINAR 2017

 

 

Este ano foi um ano absoluto de aprendizagem.A palavra escolhida para conduzir este ano foi "poupança", foi exatamente nisso que eu foquei. Escolher uma palavra resulta. É como definir um grande objetivo para 12 meses. Um trabalho diário. E que tal começar a pensar na palavra do próximo ano? Começar a fazer um balanço do que ainda podemos fazer nos meses que faltam para terminar 2017? Comecei o ano de uma forma e vou terminar de outra totalmente diferente. 

 

Venho partilhar algumas coisas que aprendi este ano. 

 

- Resolver problemas nas finanças

Felizmente ficou tudo resolvido depois de vários conselhos. Consegui enfrentar situações que no passado me fariam fugir a sete pés. Escrevi sobre isso AQUI.

 

- Os grandes projetos começam com pequenos passos

Sempre fui muito acelerada. Quero tudo para ontem, mas preciso de entender que aos poucos alcanço os meus propósitos. Nem sempre a rapidez é amiga. Tudo tem o seu tempo. Regressei aos estudos e sinto-me realizada. 

 

- A sorte mudou quando mudei a minha postura em relação à sorte

Esta é difícil de explicar, mas acreditem que a energia está associada a tudo. Não são balelas, eu vi a minha vida mudar depois de mudar a minha postura e as minhas palavras. Experimenta não te queixares durante um longo período e agradecer por tudo o que te corre bem. 

 

- Parar, respirar fundo

Gosto de estar sempre ocupada com mil projetos. No entanto, este ano decidi abrir espaço na minha vida para não fazer absolutamente nada em alguns momentos da minha vida. Sem stress, sem arrumações, sem pressão. 

 

- É possível poupar 

Ao longo do ano este ponto foi uma constante mudança. Só depois do primeiro semestre é que começou realmente a acontecer e a surtir efeito no meu dia a dia. Abri uma conta poupança Aforro e tenho as finanças praticamente controladas. Reclamava muito da falta de dinheiro mas não fazia grande coisa para mudar. Fiz e resultou.

 

- Minimalismo não é ter poucas coisas

É um estilo intenso de vida. É mudar a cabeça e a forma como lidamos com o mundo. É transformar a importância dos detalhes na nossa vida e trazer o melhor para perto de nós. 

 

- Admitir os erros e seguir em frente

O ano passado criei uma empresa de eventos mas percebi que não era bem aquilo que queria fazer e decidi encerrar. Outro projeto está na gaveta mas ainda não é o momento certo. Admiti a minha falta de conhecimentos para construir uma empresa do género e decidi colocar um ponto final. Insistir no erro seria um duplo erro. Nem sempre a desistência é uma falha. 

 

- Como cortar com alguém no emprego

O texto fala por si, podem ler AQUI.

 

- Só tenho três certezas absolutas nesta vida

O amor pelos meus filhos e marido, o amor pelos meus irmãos e o meu amor pelos livros. O resto pode mudar a qualquer momento. 

 

- Sair da zona de conforto é maravilhoso

Ui, eu adoro rotinas e não era menina para grandes desafios. Este ano mudei ligeiramente isso e estou mega contente por ter tido experiências que só foram possíveis com esta aprendizagem.

 

- Não preciso de ser infeliz num emprego que não me realiza

Escrevi sobre isso também, podem ler AQUI.

 

- Viajar é possível

Passei a vida enganada. Se calhar enganaram-me. Pensava que viajar seria algo incansável e limitado a pessoas com uma conta bancária recheada. Não é. É possível. E não paguei a viagem aos bocadinhos. Apesar de algumas agências aceitarem essa modalidade. Viajar é maravilhoso, alarga os horizontes. Nem o medo de falar pouco a língua nativa do país estrangeiro é um impedimento. Tudo se resolve.  

 

- Eliminar as amizades tóxicas permitiu-me evoluir

Esta foi a maior aprendizagem. Tudo o que aprendi durante o ano deve-se a este pequeno grande passo. Passei por momentos complicados. Nem sempre é fácil admitir que aquela amizade tão boa, tão antiga, tão verdadeira não é nada disso. Agora pergunto-me porque não o fiz mais cedo. Tantos sinais à minha frente. Eliminei todas as amizades tóxicas. Nem uma para conta a história. 

 

 

E vocês? Muitas aprendizagens este ano? Contem-me, gosto de saber como correram os vossos dias, se notaram alterações ao longo destes meses. Temos algum ponto em comum nas aprendizagens deste ano?

 

Grupo no Facebook | poupança 2017

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

queremlaver.blogs.sapo.pt

@ClaudiaOSimoes

 

SEMANA ZERO FORA DE CASA | OITAVO DIA

 

Não há muito para contar. Tirando o aceleramento da minha segunda feira. Nem tive tempo para respirar praticamente. Não gastei um único cêntimo fora de casa. Também não fui ao supermercado. Nada. Palmas e abraços. Marmita e comida em casa. 

 

Cancelei o Pack Redes Sociais no meu tarifário móvel. Custava-me 5€ mensais. Passo a usar o Wi-Fi ou nada feito. Fui olhar para as minhas faturas com olhos de ver e descobri que para além deste pack também paguei mais 11€ de internet porque ultrapassei os dados. Ou seja, só em internet móvel foram 16€ este mês. Por amor de deus. Alguém estava a exagerar na dose. Acabou-se. Menos internet fora de casa também. Olha, belo desafio para o próximo mês. 

 

Detesto estar ainda à espera da encomenda que eu fiz à livraria a semana passada. 

 

1º dia: zero cêntimos gastos

 

Dica do dia: precisa realmente dos serviços extra? Se calhar não.

SEMANA ZERO FORA DE CASA | SEXTA E FIM DE SEMANA

 

Sexta, comidinha na marmita. Almoço incluído. Jantar idem idem aspas aspas. Muito satisfeita porque este desafio deu-me a convicção de largar a preguiça e meter as mãos a trabalhar. Compensou uns euros de poupança. Desde sexta feira gastei cerca de 20€ numa ida ao cinema, lanche, jantar e umas pinturas faciais. Infelizmente não tenho aquele cartão de desconto num bilhete de cinema, a única forma que eu tenho de obter o bilhete grátis é usar o cartão de crédito, mas prefiro não usar o cartão de crédito e pagar o bilhete. Para quem não sabe o cartão de crédito do Millennium oferece um bilhete na compra de dois. Fui ver It, não comi pipocas nem porcarias do género, mas lanchei antes na Padaria Portuguesa e jantei depois. Fui a várias lojas mas não gastei um cêntimo apesar de uns sapatos terem ficado na minha cabeça. 

 

Melhorei significativamente os gastos fora de casa em relação às refeições no pronto a comer. Zero vezes. Nem na escola. Palmas. Vamos para mais uma semana. Preciso verdadeiramente de criar um hábito, nada melhor do que dia após dia até entranhar. Sabias que para criar um hábito precisas de 21 dias? Para além disso estou decidida a poupar 200€ este mês. E quando meto algo na cabeça...

 

1º dia: zero cêntimos gastos

2º dia: 15.10€  gastos | 7.16€ ganhos em talão | diferença 7.94€

3º dia: 22€ gastos | 9€ ganhos em talão | diferença 13€

4º dia: zero cêntimos gastos

5º,6º e 7º dia: 20€ gastos

 

saldo da primeira semana: 10€ em comida fora de casa | 47.10€ livros, cinema e roupa da minha filha | 57.10€ gastos no total 

 

Aposto que a próxima semana será muito melhor.