Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

Até já lã quente e adorável

por Cláudia Oliveira, em 20.03.17

 

Ontem despedi-me das camisolas de lã. Fiz uma limpeza geral ao guarda roupa e reencontrei roupa esquecida dentro de caixas. A maioria foi para lavar. Lá enchei outro saco para doar. Também enchi um saco para fazer bainhas. Cinco ou seis peças que nunca usei. Não aguento, vejo meia dúzia raios de sol e corro para trocar tudo. Só faltam os lençóis da cama, hoje não dormi nada com tanto calor. Adoro quando está tudo no devido lugar. Com as flores frescas dentro do jarro e os livros arrumados à espera para serem lidos. Estendo-me na cama, olho em volto e sinto-me bem. No meu canto cor de rosa.

Nova etapa, novos desafios

por Cláudia Oliveira, em 21.02.17

 

 

Novos desafios avizinham-se. E o meu corpo já não sossega. Já faço histórias na minha cabeça, monto cenários e festejo vitórias.

 

Primeiro, o meu horário de trabalho vai alargar, passo a sair às 17 horas. Vai ser uma mudança intensa nos meus hábitos. Era um período que servia para me organizar e fazer algumas tarefas. Tenho pensado como vou contornar esse obstáculo. No que vou precisar "largar". E acho que tenho a resposta. Tenho várias tarefas e dedico o meu tempo sempre a projectos que me deixam feliz. Pouco ou nada faço por obrigação (excepto aquelas tarefas domésticas que quase ninguém gosta ). E esse é o segredo para os dias serem mais leves e não se tornarem um peso pesado ou algo complicado. Não estou a fazer profissionalmente a tempo inteiro aquilo que quero fazer, mas pretendo caminhar nesse sentido.

 

Eu olho para a minha agenda e só vejo coisas que me deixam feliz. Família, estudar, ler, ginásio, gravar vídeo, escrever post nos blogues, ver filme ou documentário Y, ir ao cinema, estar com amigos, organizar isto ou aquilo,...entre outras tarefas. Vou alternando dia sim, dia não ou conforme a minha disponibilidade. Ter dois blogues e um canal no Youtube não me dá trabalho nenhum. Pelo contrário.  

 

Os dias vão começar mais cedo. Com bom tempo costumo saltar da cama às seis. Fui correr enquanto a vila dormia às seis da manhã na segunda-feira. Fico com o exercício feito, a energia aumenta e preparo-me com um dia maravilhoso. Se não der para ir ginásio no final do dia, não tenho desculpas. Para mim, falta de tempo não é desculpa. Uma hora não faz diferença no meu sono porque deito-me cedo. Mas uma hora de exercício faz muitas diferenças no meu dia. Comer bem e a meditação começa a ser importante. Eu acredito que vou conseguir gerir da melhor forma

 

Ontem em conversa com a educadora do meu filho senti-me mais leve com alguns conselhos e entendi que estou no caminho certo. Ela deu-me várias dicas que abracei com muito carinho. Algumas pessoas cruzam o nosso caminho, quando estamos com os sentidos ligados no momento, no presente, no agora, retiramos o melhor.

 

Tem sido um ano muito intenso a nível pessoal. Os meus sonhos tendem a tornarem-se gigantes e a minha vontade de atingir a realização de alguns está gradualmente a tornar-se consistente. Defini claramente aquilo que não quero mais na minha vida. E tem sido óptimo no fluxo dos acontecimentos. Como assim? Quando estamos rodeados de boas energias é mais simples.

 

Falar a mesma língua acaba com desgaste para nos fazermos entender. Já vos acontecer conversarem com alguém mas nunca serem compreendidos? Ou serem sempre mal interpretados? Naturalmente acabam a discutir, não é? Comigo aconteceu. Se o problema é esporádico, só e apenas com uma ou duas pessoas, dá que pensar. Não é necessário existir um corte radical, mas é necessário um afastamento. Não precisamos de todas as pessoas na nossa vida. Algumas estão para perturbar. Não queremos isso, não é verdade? Se alguém te faz  sentir mal diariamente convém repensar essa relação. Foi exactamente isso que eu fiz e tornei-me mais feliz. Primeiro por ter a capacidade de cortar laços que me prejudicam. Segundo porque as boas energias trazem frutos bons. Não quero mendigar amizades ou qualquer outro tipo de relação. Eu mereço sempre o melhor. Sinto-me merecedora do melhor! Digo com todas as forças do meu ser. 

 

Daqui para a frente, preciso de elaborar um novo plano para esta nova etapa. Sinto que estive três anos a preparar-me para este momento. A gestão do meu tempo, a confiança e a determinação fazem parte de todo o processo. Vamos! Sem esperar mais. 

 

Vlog: mais um sobre Bullet Journal (fraquinho); onde e quando leio (e algumas fotos)

por Cláudia Oliveira, em 14.02.17

Juntei dois vlogs que andei a fazer. O primeiro é sobre o meu Bullet Journal e o que escrevo nele. O segundo são realmente os meus hábitos de leitura. Como podem ver não perco muito tempo a ler, bastam pequenos periodos de leitura para se convertem em muitas leituras no final do mês. Talvez volte a fazer outro para mostrar mais e melhor. Espero que gostem. A recepção do víde foi muito positiva, não estava à espera. Obrigada a todos pelos comentários. Prometo que o próxima ainda será melhor.  

 

Ficam aqui algumas fotos:

IMG_20170201_154820.jpg

IMG_20170214_092305.jpg

 

IMG_20170214_092244.jpg

 

IMG_20170214_092437.jpg

 

IMG_20170214_092432.jpg

 

IMG_20170214_092414.jpg

 

IMG_20170214_092337.jpg

 

 

IMG_20170214_092513.jpg

 

IMG_20170214_092456.jpg

 

 

 

TBS: To be Save

por Cláudia Oliveira, em 01.02.17

Para Fevereiro

 

- começar meditação.

- arrumação das estantes de livros (método KoMari).

- colocar o dinheiro do desafio das 52 semanas.

- não comprar livros.

- uma semana sem gastos.

- acordar às 6:00 am para ir correr.

- marmitas saudáveis para o escritório. 

- ver todos os filmes nomeados ao Oscar e ler algumas adaptações (usar o Kobo).

- focar-me no meu novo projecto (elaborar estratégia).

Um ano sem comprar | o que mudou

por Cláudia Oliveira, em 19.01.17

 

Estive um ano sem comprar roupa e acessórios. O que mudou realmente?

 

- Acabou o meu lado consumista

Era extremamente consumista. Comprei muita roupa e sapatos. Todos os meses "precisava de alguma coisinha". Havia o dia de ir às compras e tudo. Calhava logo na primeira semana do mês. Entrava em várias lojas, experimentava muita coisa, vinha para casa cheia de sacos. Um ano sem compras, sem entrar em lojas, acabou FELIZMENTE com tudo. Eu não sinto mais necessidade de comprar. Não tenho a sensação que preciso de algo. Não sinto vontade de ir aos centros comerciais ou entrar em lojas. Um sossego para a carteira. 

 

- Deixei de sentir necessidade de preencher um vazio

Havia uma altura do mês que eu sentia necessidade de ir gastar dinheiro para compensar a falta de alguma coisa. Acabei por descobrir que não sentia falta de nada, só da "felicidade" temporária que as compras me proporcionavam. Enchia os armários com peças que mais tarde não me faziam assim tanta falta. Ou comprava sapatos que só usava uma ou duas vezes por mês. Trabalhar este lado foi mais fácil do que estava à espera. A sensação de vazio acabou, foi preenchido com coisas reais. Jantares em casa, passeios com amigos, idas ao cinema com mais frequência. São alguns dos exemplos. Poupar acabou por trazer um equilibro maior ao meu lado emocional.

 

- Acabaram as brigas com o multibanco

Eu sempre dificuldades em gerir a minha relação com o multibanco. É uma coisa com muitos anos que tenho vindo a melhorar. Era horrível para mim ir levantar dinheiro e ver os movimentos bancários. Sério. Ficava numa aflição. Sempre a contar dinheiro, a fazer cálculos de cabeça. Uma preocupação constante. Com a diminuição dos meus gastos consequentemente as brigas comigo mesma acabaram. O multibanco deixou de ter tanto foco na minha vida e isso tirou um grande peso dos meus ombros.

 

- Encontrei novas formas de ganhar mais dinheiro

Enquanto estava preocupada em gastar não percebi que podia ganhar. Depois de parar de gastar foquei-me em ganhar. No ano passado apostei na abertura de uma loja online e consegui ganhar dinheiro. Também arranjei outros empregos a part-time (ex: passar a ferro, limpezas, cozinhar). Foi como uma espécie de bola de neve. 

 

- Afinal tenho muita roupa para vestir

Num ano muitas peças não foram usadas. Nunca tive a tão comum sensação "não tenho nada para vestir". Dei uso e mais valor à minha roupa. Ganhei um afecto maior com as minhas coisas. Não as considero tão descartáveis como antes. 

 

- Encontrei o meu verdadeiro calcanhar de Aquiles

O problema seria a roupa e os sapatos? A verdade é que o dinheiro que eu não gastava no calçado e na roupa ia, na sua maioria, para os livros. Durante o ano passado percebi que isso teria de mudar muito. E sem desculpas. 

 

Foi um ano excelente de aprendizagem. Valeu muito a pena fazer o projecto "Um ano sem compras". E espero verdadeiramente continuar este ano. Desta vez vou incluir o consumo dos livros de forma mais coerente. 

Escolher uma palavra para 2017

por Cláudia Oliveira, em 18.01.17

Instasize_0118144451 (1).jpg

 

 

Em Dezembro pensei muito no que pretendia realizar em 2017. Gosto de fazer um balanço e predefinir os meus objectivos a curto/médio prazo. Sabia o que tinha feito em 2016 e estava focada em mudar certos pontos. Quero melhorar alguns pontos a nível pessoal e profissional. O desenvolvimento pessoal é muito importante para mim. Existem pontos que ainda estou a trabalhar. Vejo-me como uma torre em constante construção. Ao longo da vida tenho desconstruindo verdades absolutas e isso faz-me crescer. Não tenho duas palas e procuro sempre questionar-me e encontrar respostas. 

 

Um exemplo: Desde pequena que oiço falar nas vantagens do leite para um crescimento saudável. Com conhecimento através da minha experiência pessoal, documentários e livros descobri que o leite não me fazia bem. Pelo contrário. Referi o leite, mas podia ser outra coisa qualquer. É apenas um exemplo para conseguir explicar-vos melhor a minha forma de ver a vida. Saio da zona de conforto e procuro respostas. 

 

No final de 2016 estava confusa em relação ao queria para 2017. Tive de afastar-me do "barulho" para encontrar as minhas respostas sem influência de ninguém. Sem criticas ou sugestões. É importante olhar para dentro de mim e saber o que quero realmente. Tinha começado a dizer "não" a algumas situações e a cortar com outras. Mas é sempre nos últimos dias que percebo através de um balanço mental o que quero ou não quero. Desta forma nasceu o grupo Poupança ( que muito tem servido de ferramenta para partilha e inspiração), os meus objectivos e a vontade de os partilhar com todos. Este blog existe desde novembro de 2015. O bichinho da partilha estava cá. 

 

Sempre fui organizada, mas pouco poupada. Podia poupar imenso em muitas coisas, mas acabava por gastar imenso em outras. Em livros principalmente. E foi assim que começou esta saga que tem apenas 18 dias. Não mudei a minha vida de um dia para o outro. Foi uma mudança gradual. O mental primeiro. As ideias amadureceram ao longo de um ano. E tive a sorte de encontrar pessoas com as quais me identifiquei ao longo da caminhada que me ajudaram com o empurrão final. 

 

Resumindo, queria encontrar a palavra certa para definir o meu ano. No meu primeiro vídeo do ano escolhi "Poupança" e foi muito bem recebida. Parece que mais pessoas estão no mesmo barco que eu. Parece que mais pessoas querem alterar algumas coisas. Acabei por falar em algo que mais pessoas também queriam partilhar. No grupo muitas pessoas agradeceram a existência do mesmo. Eu tinha um objectivo, agora tenho um plano. Essa foi a grande mudança. 

 

Tive um longo caminho até chegar aqui. O maior processo de transformação deu-se o ano passado. Quero qualidade de vida. E estou a fazer por isso. 

 

Qual a tua palavra para 2017? Já pensaste sobre isso?

Dezasseis dias recompensadores

por Cláudia Oliveira, em 16.01.17

 

 

Gravei um vídeo para o meu canal literário "A Mulher que Ama Livros" onde mostro o meu bullet journal. Talvez faça outro vídeo e um post sobre ele com mais detalhes. Depende do interesse. Estava a pensar fazer um especial "Dez dias de planeamento e organização". O que acham? Podíamos tentar organizar-nos em conjunto. Ganhar hábitos. Ou até ganhar hábitos de leitura para quem não tem e precisa. São ideias. Gostaria de saber realmente o que pensam do assunto. Vale a pena? Eu tenho as minhas técnicas e adoro partilhar estas coisas. Sempre fui organizada em vários factores da minha vida, mas também preciso de alterar algumas coisas. Ando a fazer por isso. Não gosto de me lamentar, gosto de concretizar e mudar a estratégia quando está a correr mal. Têm sido dezasseis dias muito bons nesse sentido. Já fiz meia dúzia de coisas que achava complicado fazer. Pequenas vitórias, grandes recompensas. O que mais me deixa satisfeita é ignorar as más línguas e seguir o meu próprio caminho. Não ceder, fazer sempre por mim e para mim. Haverá sempre alguém que não entende o nosso caminho por ser um caminho diferente. A verdade é essa. 

 

Podem ver o vídeo AQUI

Como organizo as minhas leituras

por Cláudia Oliveira, em 11.01.17

Instasize_0111131721.jpg

Instasize_0111131741.jpg

Instasize_0111131657.jpg

 

 Organizo as minhas leitura concluídas de forma muito simples. Num caderno liso. Gosto de fazer uma tabela. Este ano optei por acrescentar mais tópicos porque senti necessidade de obter outros elementos para os meus resumos e estatísticas. 

 

Número: vou escrevendo algarismos por ordem crescente.

Título: coloco o título do livro.

Autor: coloco o nome do autor.

Nacionalidade: coloco a nacionalidade do autor. Adoro diversificar neste campo. 

Mês: o mês a que corresponde a leitura do livro.

Páginas: o  número de páginas para somar no final do mês. Gosto de saber, curiosidade apenas. 

F/M: se o autor é mulher ou homem. 

Projecto/desafio: o desafio ou o projecto para o qual li o livro ou as minhas hastags (ex.leiamulheres).

Inspiração/Recomendação: onde encontrei este título? foi sugestão de alguém? ou li porque simplesmente gosto da autora? é onde coloco essa informação. 

 

Estes dois últimos elementos acrescentei este ano. Sempre que termino uma leitura preencho este quadro. No final do mês é mais fácil para mim fazer o resumo e descobrir o que falta ou ando a ler. 

 

Adoro dar prioridade aos livros escritos por mulheres, não ficção, clássicos e autores portugueses. Posto isto, gosto de anotar com uma cruz tudo o que vou lendo dentro destas categorias. Podem optar pelas vossas preferidas. 

 

E vocês? Como organizam as vossas? O que acham desta tabela? Partilhem! 

Como planeio o meu dia

por Cláudia Oliveira, em 10.01.17

 

 

 

Primeiro faço-o mentalmente. Ao longo do dia vou pensando no que quero fazer no dia seguinte. Blog, canal, ginásio, refeições e casa. Depois quando tenho um tempo livre escrevo na agenda os itens principais. Este passo é muito importante, não vivo sem estar tudo anotado na minha agenda.

 

Se pretendo escrever um texto para o blog escrevo a ideia geral. Para o canal a mesma coisa. Se preciso ou não de gravar um vídeo. Faço questão de pensar nos livros e nos filmes que quero ler e ver. Em relação ao ginásio só preciso de saber se é dia de ir ou não. Se a vida permite. Não penso se tenho vontade, porque isso não é discutível. É para ir. Refeições é só tentar fazer o prato durante a hora de almoço e deixar pronto para o jantar. Caso não seja possível, verifico o que existe na dispensa  e no frigorífico e tento guiar-me por aí. Às vezes, apetece-me uma receita nova, folheio os livros e escolho. Normalmente, faço isso nos dias que preciso de ir ao supermercado. Só vou em caso de muita necessidade, quando estão em falta vários ingredientes. Em relação à casa, um grande conselho que vos posso dar é o seguinte: loiça lavada, cama feita. Sempre! Sério. Ajuda imenso. No final do dia verifico a agenda outra vez para acrescentar o que preciso. Escolho a roupa que vou vestir no dia seguinte. Penso na marmita que vou levar para o emprego. Faço a mala do ginásio. Deixo a roupa dos miúdos pronta também. De manhã, já sei o que preciso de fazer quando começa o dia. Já tenho metade do dia planeado, a minha mente e as pernas fazem o resto. Começo o dia quase sempre da mesma forma. Uma boa rotina matinal é importante para uma boa gestão do tempo. Só depois do horário laboral é que gosto de quebrar a rotina esporadicamente.

 

Conclusão:

- pensar antes

- anotações 

- rotina matinal

- preparação antecipada

- loiça lava e cama feita

 

Estas são as minhas técnicas de planeamento diário. Utilizo estas técnicas há tanto tempo que acabaram por enraizar em mim. 

Planos para o fim de semana

por Cláudia Oliveira, em 06.01.17

'One Day, Stop Net'

- Ver o documentário 'Minimalism'

- Ver dois episódios da série Twin Peaks

- Organizar o armário cápsula e tirar as fotos das peças escolhidas

- Terminar de ler um livro

- Começar ou preparar o 'Morning Pages'

- Começar a ler um livro sobre minimalismo

- Organizar a semana seguinte

 

São algumas das tarefas que pretendo fazer este fim de semana. 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Tags

mais tags