Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

Escuta

por Cláudia Oliveira, em 24.03.17

 

Esta semana tomei conhecimento de algumas situações graves relacionadas com um elemento familiar. Com os meus questionamentos, cara na cara (deixem as redes sociais), consegui mudar um bocadinho o seu pensamento. A sua primeira atitude foi mudar o que estava mal, cortar pela raiz. Pode ajudar, mas não funciona, as grandes mudanças não começam durante um almoço. São necessários vários dias e primeiramente uma mudança interior. Tem de existir aquele "click". E um pano encharcado de realidade. Eu fui a pessoa que esfregou o pano na sua cara. Sem gritos. Sem palmadinhas nas costas. Sem arrogância. Acho que o meu olhar mostrava tanta desilusão que era inevitável não existir uma tentativa.

 

Infelizmente, a maioria não quer ouvir a verdade. Verdade? Mas quando sabemos de algo não podemos cruzar os braços e ignorar a situação. Principalmente se gostas da pessoa e tens consciência. Eu não consigo. Eu preciso de fazer alguma coisa. Mas também sei o meu limite. Sei que não sou eu que vou mexer aquelas pernas. Sei que sou apenas um empurrão, a orientação. Se fosse eu, no lugar daquela pessoa, começava com mudanças relacionadas com a saúde. Venha quem vier, mas o exercício (seja ele qual for) é o trampolim. Quando não faço exercício (estou há cerca de vinte e cinco dias) noto logo uma quebra no meu ritmo e boa disposição. Obviamente que tento combater isso, nas não é a mesma coisa. Estás triste? Caminha. Respira ar puro. 

 

Pequenos objectivos traz grandes mudanças. Ninguém faz nada sozinho. Não somos caixas de correio à espera de uma noticia. Somos uma comunidade, temos familia, amigos e conhecidos. Precisamos de escrever uma carta para receber outra. Ou então, basta aparecer. Como foi o caso desta pessoa que me procurou. Atenta, entendi que havia ali algo. E em vez de me focar na minha alegria ou problemas, escutei. Não ouvi, escutei. Questionei. E depois do almoço falei com mais pessoas para sensibilizar e aproximar quem lhe quer bem. 

 

Escutar é tão simples. Existem tantas pessoas sozinhas, com medo de falar, com medo de julgamentos. Um gesto, muitos gestos, uma presença, muitas presenças, podem ajudar quem não consegue encontrar ajuda em ninguém. 

Incentiva alguém

por Cláudia Oliveira, em 22.03.17

 

Quando alguém começa uma dieta, uma pequena mudança, começa a ouvir várias frases. É tiro e queda: "não precisas", "deixar de comer, para quê?", "uma sopa?credo", "tens de comer um bocado de tudo", "uma chocolatinho não faz mal". Normalmente isso vem de pessoas sem iniciativa, algumas até precisam de emagrecer mas dizem "estou bem assim, adoro o meu corpo". Até podem adorar o seu corpo, até podem ser muito felizes com o seu corpo, mas a saúde vem sempre em primeiro lugar. E ninguém é saudável a longo prazo com uma alimentação pouco cuidada.  Hoje uma colega minha vinha toda entusiasmada com um novo plano alimentar, a primeira coisa que ouviu de outro colega foi: "eu não conseguia só comer isso, deixar de comer não é solução". Gente! Não é deixar de comer, é comer com moderação, deixar os maus hábitos, escolher fruta e legumes. Se tu não consegues, deixa os outros tentarem. Aliás, deixem os outros comerem aquilo que querem. Eu fui a única que a incentivou: expliquei-lhe que as dietas têm um problema porque são a curto prazo, que a ideia é ela transformar a dieta em hábitos saudáveis a longo prazo. Comer muitos legumes e fruta não é um problema. E os legumes não são caros como ela pensa que são. Depois mostrei um livro de uma nutricionista que anda sempre comigo para ela ter algumas ideias. E o melhor conselho de todos: bebe muita água. Às vezes pensamos que temos fome, mas é apenas sede. Não é mais fácil ter alguém a incentivar e mostrar novas ideias em vez de oferecer palavras desmotivadoras? As palavras são uma arma muito poderosa

Feliz de quem não abdica dos seus princípios

por Cláudia Oliveira, em 10.03.17

 

Quando não tenho nada de bom para dizer, escolho o silêncio. Quando não tenho um elogio para dar, prefiro ficar calada e guardar a amargura. Primeiro, os outros não têm culpa da minha amargura. Segundo, os outros não têm culpa da minha falta de simpatia em nenhuma hora do dia. A minha arma será sempre a minha alegria. Sobretudo aquela que só eu vejo e guardo para mim (ou para depois das 17 horas). A melhor arma é a positividade longe do que me faz mal. O meu combate diário é grande em relação a todas as energias negativas presentes e próximas. Somos obrigados a lidar com quem não queremos algumas vezes. Não é verdade? Mas felizmente aprendi a lidar "por educação". Tratar com educação quem outrora foi meu amigo e agora é um conhecido. Mesmo quando embirram, são mesquinhos, torno-me mais consciente de que sou melhor. Não sinto inveja de ninguém. Não há sentimento mais pobre que este. Nem do que têm, muito menos do que são. Por ter consciência da minha grandeza, mas sobretudo por continuar fiel aos meus princípios. Porque podemos mudar tudo, excepto os nossos princípios. 

Nova etapa, novos desafios

por Cláudia Oliveira, em 21.02.17

 

 

Novos desafios avizinham-se. E o meu corpo já não sossega. Já faço histórias na minha cabeça, monto cenários e festejo vitórias.

 

Primeiro, o meu horário de trabalho vai alargar, passo a sair às 17 horas. Vai ser uma mudança intensa nos meus hábitos. Era um período que servia para me organizar e fazer algumas tarefas. Tenho pensado como vou contornar esse obstáculo. No que vou precisar "largar". E acho que tenho a resposta. Tenho várias tarefas e dedico o meu tempo sempre a projectos que me deixam feliz. Pouco ou nada faço por obrigação (excepto aquelas tarefas domésticas que quase ninguém gosta ). E esse é o segredo para os dias serem mais leves e não se tornarem um peso pesado ou algo complicado. Não estou a fazer profissionalmente a tempo inteiro aquilo que quero fazer, mas pretendo caminhar nesse sentido.

 

Eu olho para a minha agenda e só vejo coisas que me deixam feliz. Família, estudar, ler, ginásio, gravar vídeo, escrever post nos blogues, ver filme ou documentário Y, ir ao cinema, estar com amigos, organizar isto ou aquilo,...entre outras tarefas. Vou alternando dia sim, dia não ou conforme a minha disponibilidade. Ter dois blogues e um canal no Youtube não me dá trabalho nenhum. Pelo contrário.  

 

Os dias vão começar mais cedo. Com bom tempo costumo saltar da cama às seis. Fui correr enquanto a vila dormia às seis da manhã na segunda-feira. Fico com o exercício feito, a energia aumenta e preparo-me com um dia maravilhoso. Se não der para ir ginásio no final do dia, não tenho desculpas. Para mim, falta de tempo não é desculpa. Uma hora não faz diferença no meu sono porque deito-me cedo. Mas uma hora de exercício faz muitas diferenças no meu dia. Comer bem e a meditação começa a ser importante. Eu acredito que vou conseguir gerir da melhor forma

 

Ontem em conversa com a educadora do meu filho senti-me mais leve com alguns conselhos e entendi que estou no caminho certo. Ela deu-me várias dicas que abracei com muito carinho. Algumas pessoas cruzam o nosso caminho, quando estamos com os sentidos ligados no momento, no presente, no agora, retiramos o melhor.

 

Tem sido um ano muito intenso a nível pessoal. Os meus sonhos tendem a tornarem-se gigantes e a minha vontade de atingir a realização de alguns está gradualmente a tornar-se consistente. Defini claramente aquilo que não quero mais na minha vida. E tem sido óptimo no fluxo dos acontecimentos. Como assim? Quando estamos rodeados de boas energias é mais simples.

 

Falar a mesma língua acaba com desgaste para nos fazermos entender. Já vos acontecer conversarem com alguém mas nunca serem compreendidos? Ou serem sempre mal interpretados? Naturalmente acabam a discutir, não é? Comigo aconteceu. Se o problema é esporádico, só e apenas com uma ou duas pessoas, dá que pensar. Não é necessário existir um corte radical, mas é necessário um afastamento. Não precisamos de todas as pessoas na nossa vida. Algumas estão para perturbar. Não queremos isso, não é verdade? Se alguém te faz  sentir mal diariamente convém repensar essa relação. Foi exactamente isso que eu fiz e tornei-me mais feliz. Primeiro por ter a capacidade de cortar laços que me prejudicam. Segundo porque as boas energias trazem frutos bons. Não quero mendigar amizades ou qualquer outro tipo de relação. Eu mereço sempre o melhor. Sinto-me merecedora do melhor! Digo com todas as forças do meu ser. 

 

Daqui para a frente, preciso de elaborar um novo plano para esta nova etapa. Sinto que estive três anos a preparar-me para este momento. A gestão do meu tempo, a confiança e a determinação fazem parte de todo o processo. Vamos! Sem esperar mais. 

 

Leves truques para tornar os dias leves

por Cláudia Oliveira, em 14.02.17

 

Batom laranja. Eu sei que há muita gente que opta pelo batom vermelho para alegrar os seus dias e dar aquele power que só um salto alto consegue dar. Mas nem sempre apetece um salto alto (as minhas costas não gostam muito). Eu escolho o batom laranja. Primeiro é a minha cor preferida de batom, é irreverente e dá aquele toque especial às minhas roupas unido de um BB Cream e iluminador. É alegre e deixa-me de alto astral. 

 

Mudar a mala/carteira. Faço questão de mudar a mala/carteira aos domingos de manhã para começar a semana. Parece um truque parvo, mas é realmente um truque que funciona comigo. Eu sei que há quem mude de mala quase todos os dias, mas eu não sou pessoa para isso. Sinceramente não tenho paciência. Uso a mesma durante um ou duas semanas. Ao fim de semana tento usar pouco peso possível e opto pelas malas mais pequenas. 

 

Copo de vinho. Para mim não há nada mais relaxante do que chegar à sexta e abrir uma garrafa de vinho. Saborear um copo de vinho tinto é aquele meu momento preferido de brinde à vida. Em dias muito complicados faço questão de brindar à vida no final do dia sem esperar pela sexta. 

 

Estes são os meus truques para alegrar os dias de chuva ou quebrar o peso da rotina. Os dias ficam lindos e maravilhosos. O corpo e a alma agradecem o sorriso no rosto e isso vê-se. Os outros parecem mais felizes também. Tenho mais truques. Deixo-vos agora estes três. Quem sabe vos inspire a partilhar comigo os vossos leves truques para tornar os vossos dias leves. 

Agitar para recuperar

por Cláudia Oliveira, em 13.02.17

 

Para recuperar as energias gosto de ter as minhas pessoas preferidas perto de mim. Quando estou na semana mais cansativa do mês (trabalho extra por parte do marido) procuro convidar os amigos para café, chá, bolo, jantar ou visitar a família. Foi o caso deste fim de semana. Permiti-me brindar à vida, ter uma saudável conversa com a amiga do coração, dei os meus passeios com os filhotes e cozinhei para os meus amigos. Apesar do cansaço, consegui agradar. Estes momentos aliviam a carga pesada do cansaço. Ao contrário da maioria, eu procuro agitar em semanas agitadas. E assim começo mais uma semana, de bateria cheia de energia boa e pronta para realizar mais tarefas que determinam o meu caminho.

Pequenos detalhes

por Cláudia Oliveira, em 04.01.17

 

 

0f5f4bb92c2544b0e938ba8688d658ab.jpg

 

Os pequenos detalhes motivam-me. Fico focada nos meus objectivos e isso é o mais importante. 

 

- Uma revista cheia de receitas boas e baratas é a revista do Continente. Ontem olhei com olhos de ver e descobri várias receitas que pretendo experimentar para a minha marmita. Como tinha de ir ao supermercado tirei fotos aos ingredientes e comprei o que me faltava. Decidi experimentar três receitas novas em este mês. Tem diversos bolos maravilhosos, mas como estou a fazer o desafio 'sem açúcar por uma semana' decidi deixar para outra altura. 

- Fui ao ginásio e paguei a mensalidade. 37€ com aulas incluídas. Portanto, preciso de dar uso ao investimento. Tenho um calendário onde assinalo com uma cruz sempre que vou ao ginásio, para ter uma ideia de quantas vezes faço exercício por mês. Espero chegar ao final de Janeiro com muitas cruzes. 

-Tenho outro mini calendário onde assinado com uma cruz os dias que fico sem consumir açúcar. Não sei as razões, mas motiva-me. Não tenho doces em casa e não me aproximo da fila dos doces. 

-Estou a preparar-me para ficar a próxima semana sem gastar um cêntimo. Estava a pensar fazer esta semana o desafio 'sem um cêntimo' mas como tinha de pagar o ginásio não deu. Próxima semana não falha.

- Estou a pensar ficar um dia inteiro por semana sem ir à internet de forma a verificar a minha produtividade e desintoxicar-me. Talvez no fim de semana... ainda não sei. Não será um dia fixo, será aleatório. 

- Continuo a inspirar-me em todas as pessoas que contribuem para o meu dia a dia minimalista, produtivo e feliz. Não quero estar perto de pessoas negativas, resmungonas e cheias de palavras rudes. Isso torna os meus dias cinzentos. Apesar de adorar o cinzento, prefiro dias com luz. 

24/365

por Cláudia Oliveira, em 16.12.15

 Penteado simples serve de inspiração. Não é nada de especial, mas sempre muda um bocadinho. Batom vermelho e eyeliner. 

IMG_6224.PNG

IMG_6221.JPG

 

IMG_6220.JPG

 

Repeti a camisola. As peças que mais gostamos é para repetir. Em vez das calças vermelhas optei pelos calções pretos e sapatilhas pretas. Ficou diferente.

23/365

por Cláudia Oliveira, em 15.12.15

IMG_5883.JPG

 

IMG_5884.JPG

 Malhas, sapatilhas, branco e camuflado. Inspiração para esta semana. 

IMG_6013.JPG

Camisola branca, calções pretos com franjas (viva os calções com elástico na zona da cintura!) e camuflado. Fiz uma espécie de penteado com uma trança presa de lado. Segundo estes vinte e três dias parece que tenho pouco para calçar. Falso, uso sempre os mesmos. 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Tags

mais tags