Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

queremlaver

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

OUTUBRO OUSADO | DESAFIO NO GUARDA ROUPA

 

 

Este fim de semana estive a arrumar o guarda roupa. Troquei os tons do verão pelos tons terra do outono. São cores que têm muito mais a ver comigo. Verdes, cinzas, castanhos, pretos, brancos, nudes, pasteis. Foi fácil a transição porque já não tenho os quilos de roupa que tinha antigamente e tenho tudo muito organizado. Há lá coisa melhor, querem lá ver. 

 

Enquanto experimentava algumas peças lembrei-me que podia fazer um desafio pessoal nos próximos trinta dias. Não vou esperar pelo primeiro dia de Outubro, começo hoje. Passo a explicar. Outubro Ousadia é o nome do desafio. Consiste em ousar, como indica o nome. Ousar na hora de construir os looks diários. Usar as peças do guarda roupa de forma diferente. Sair da minha zona de conforto. Ser criativa e aumentar a confiança perante o olhar dos outros no que diz respeito à roupa que eu uso. Poupar, não comprar a comprar mais peças novas. Ver reacções, partilhar, anotar, incentivar, sentir, comunicar. 

 

A nova colecção chegou a várias lojas e sinceramente a tendência é ir espreitar e ficar a babar algumas peças. Confesso, fui espreitar tudo! Vi alguns vídeos sobre as peças chave da próxima estação e fiquei com os olhos a brilhar. Parei de ser consumista, mas não deixei de gostar de roupa e apreciar moda. Sigo as blogueiras famosas no IG e adoro ver as fotos dos looks do dia. Tudo internacional, excepto uma menina portuguesa. Não há malta em que eu admire no mundo da moda em Portugal. Vestem-se todas de igual (excepto a Raquel). Ups, polémica. Devem existir, eu é que não conheço, vá. 

 

Adiante, estava a dizer que quero pegar nesta vontade de comprar roupa e dar a volta à situação. Agarrar naquilo que já tenho. Estive com várias peças que nunca usei porque não sei como usar aquilo. Já aconteceu a todas. Compramos algo mas depois não sabemos como conjugar aquilo sem ser com uma camisola básica branca. Verdade? Todas juntas. Sim!

 

No final da arrumação e da casa aprumada fui às compras. Algo que já não fazia há cerca de três anos e meio (?). É mais ou menos isso. Não saía de casa com objectivo de fazer compras. Reparei que precisava de um par de calças de ganga. Só tenho calças largas rasgadas e umas capri. Precisava de umas botas pretas com salto. Só tenho botas com salto de cunha. Queria uma boina e umas argolas. Era só. O que eu comprei?

 

Comprei um par e calças de ganga, botas pretas, argolas e duas saias. Paguei cerca de 27€ na Mango Outlet. Imaginem, as botas eram 69.90€, paguei apenas 9.90€. Não é aquele tipo de bota para todos os gostos porque são um bocadinho esquisitas, mas eu adoro. Não encontrei a boina, mas trouxe as argolas. Despachei-me em três tempos e fiquei super satisfeita com o resultado. 

 

Quanto ao desafio Outubro Ousado tenciono partilhar se tiver coragem no instastories (@ClaudiaOSimoes) sem nenhuma pretensão. Vou tirar foto diária para mais tarde recordar e fazer o balanço final. Só para ver quantas vezes uso a peça X, não repito looks. Vou fazer 30 looks diários (vou excluir os fins de semana). Não esperem ousadia à maluca, eu sou uma pessoa contida. Prometo que vou tentar soltar a franga e usar padrões improváveis, mas não quero parecer o espantalho da aldeia.

 

Hoje lá fui eu toda confiante com o meu vestido preto. De argolas e batom escuro. Sabem o que me disseram quando me viram? "Estás muito gira, vais cantar o fado?"; "olha a fadista". Pronto, uma pessoa quer arriscar e é isto. Depois mostro a fadista que há em mim só para vocês comprovarem. Ainda estou meio sem saber como vou fazer isto, mas desafio é desafio e eu gosto. 

 

Amanhã estou a pensar vir de jogadora de futebol, o que acham?

 

Grupo no Facebook | poupança 2017

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

queremlaver.blogs.sapo.pt

@ClaudiaOSimoes

 

 

 

BALANÇO | POUPANÇA E FINANÇAS

Faltam três meses para terminar o ano. Está na hora de fazer balanço das minhas finanças e poupanças. Levar as mãos à cabeça e calcular o que ainda preciso de poupar ou alterar.

 

via GIPHY

 

Vamos lá.

 

Finanças

Fiz as pazes com as finanças. Somos amigas outra vez. Vi a minha dívida ser perdoada e poupei uns valentes euros. Não podia ter ficado mais agradecida com esta situação. Foi uma excelente lição e aprendizagem. Aprendi bastante a este nível, tudo pago e tudo perfeito. Vou começar a controlar o site quinzenalmente de forma a evitar eventuais sustos.

 

Cartão de Crédito

O cartão de crédito está com a dívida saldada. Nem um cêntimo por pagar. Não faço intenções de usá-lo futuramente. Ontem vi descontado um valor de 4€ na minha conta devido ao cartão de crédito. Tenho de verificar se é um valor mensal por ter o cartão. Sempre fui um bocadinho despistada com essas coisas. Casa seja um valor mensal vou cancelar o cartão. É um valor alto e ao final do ano acaba por cerca de 50€ por algo que não uso. 

 

Conta Poupança

Abri uma Conta Poupança Aforro no meu banco. O dinheiro está a ser guardado mensalmente e tem corrido bem até ao momento. No mealheiro coloquei o dinheiro das vendas que eu fiz (Kobo, por exemplo) mas pretendo juntar este dinheiro à conta poupança de forma a receber juros.

 

Dívidas

Saldei duas grandes dívidas que mantinha desde o inicio do ano e não podia estar mais satisfeita. Tenho a decorrer o crédito do carro que pretendo pagar assim que juntar o dinheiro. Quero saldar as dívidas com o maior valor de TAEG (é um ótimo indicador para comparar o custo total de um crédito pessoal porque, para além de incluir encargos com juros, despesas de processo e comissões, engloba igualmente os custos do seguro do crédito. Assim, num crédito pessoal, automóvel ou com outra finalidade, é definitivamente esta a taxa que deve analisar para comparar custos entre instituições). 

 

Telecomunicações

Alterei os tarifários e estou a poupar vários euros mensalmente. O meu plano é o mais barato do mercado em Portugal. Comprei um telemóvel mais barato em vez de optar por uma marca muito cara. 

 

Compras

Diminui drasticamente as compras, dei continuidade a tudo o que aprendi nos anos anteriores.

A pouca roupa que comprei foi em França em grandes armazéns. Assim como o único par de ténis. Gastei alguns euros no IKEA para alterar a decoração do quarto. Foram cerca de 50€ (almofadas, tapete, plantas,...). Investi em produtos de make up na altura dos saldos: base correctiva (2 em 1), máscara de olhos, serum anti age, óleo enriquecedor e água micelar. Nisto estou muito poupada porque só compro produtos quando algum termina. Também deixei de comprar certos produtos e não sinto falta. Poupo vários euros desta forma. 

 

Em relação ao meu maior vicio, os livros, saí-me lindamente. Foi realmente a minha grande evolução. Não deixei de comprar livros, mas em vez dos trinta ou quarenta que comprava num evento como a Feira do Livro comprei cinco. Não cedo facilmente às promoções e campanhas quando não pretendo de todo ler os livros de imediato. Criei os desafios 5+13+1. A minha lista de desejados continua a ser contida e racional. 

 

Desafio 52 semanas

Correu bem até ao mês da viagem a Paris. Depois optei por colocar o dinheiro numa conta em vez de estar num mealheiro sem juros. Está a correr melhor do que esperava. 

 

Geral

Fui várias vezes a restaurantes este ano. Só me arrependo de uma única vez porque gastei muito e comi super mal. Foi numa visita a São Martinho. Comer bem continua a ser um dos grandes prazeres da vida e com as poupanças acabei por ter mais espaço de manobra para ir a restaurantes com a minha família. Evito de todo visitas a pastelarias e prefiro beber o meu café em casa assim como levar marmita para o emprego. Ainda preciso de melhorar as minhas visitas ao supermercado. Compro várias coisas desnecessariamente porque adoro experimentar produtos novos. Continuo só a comprar produtos em promoção quando preciso de escolher. Também deixei de efectuar compras mensais no supermercado e optei pelas compras quase diárias. O meu saldo para as compras no supermercado acabou por render mais e chegar até a final do mês em algumas alturas. Somos quatro em casa, mas fazemos uma boa gestão do dinheiro. Anoto tudo, estou atenta e perdi o medo de espreitar o saldo do multibanco. 

 

Grupo no Facebook | poupança 2017

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

queremlaver.blogs.sapo.pt

@ClaudiaOSimoes


ENVIADA A PRIMEIRA NEWSLETTER

 

Já foi enviada a primeira Newsletter  (podes subscrever AQUI). O primeiro tema foi Rotina e Organização. Falo um bocadinho da minha experiência pessoal e dou algumas dicas e sugestões de leitura. Afinal comecei o curso e tudo mudou. O meu tempo mudou. Espero sinceramente que gostem. É conteúdo exclusivo e feito com muito carinho. 

 

 

 

via GIPHY

ROLL ON BIO? ESTOU AOS PULOS

 

 

A minha última descoberta foram os produtos de cosmética biológicos vendidos na Wells. Não fazia ideia que existiam e dei pulos quando os encontrei. Provavelmente já existem há anos. Um desodorizante 100% bio em roll on. Muito mais fácil para andar na mala do que o pacote do bicarbonato de sódio que recomendei em tempos. Lembram-se?

 

Estas férias levei o pacote do bicarbonato comigo na mala. Como o marido se esqueceu do desodorizante dele acabou por usar o bicarbonato e adorou o resultado. Ao inicio gozava comigo, depois cedeu. Acreditam que com o desodorizante do costume costuma suar mais e tem aquele cheiro de perfume super intenso debaixo dos braços? Imbatível. O único inconveniente que encontra é de facto a falta de praticabilidade na hora de transportar. 

 

Este fim de semana compro um roll on para mim e testo, depois conto. O preço é um bocado puxado mas pode ser que valha muito a pena e dure bastante. Sempre pode compensar. Na saúde do planeta (e nossa) compensa de certeza. Para comprarem um produto Bio podem clicar em cima da imagem ou simplesmente ir a uma loja Wells (praticamente todos os supermercados Continente têm). Se calhar já conheciam, e não vos estou a revelar nada.

 

 

Sabem o que era sensacional? Pasta de dentes Bio na Wells. O último grito, a loucura, a histeria. E falo na Wells porque é só a loja mais próxima de mim. E para além disso costumo ter desconto no cartão e tal e tal. Sempre a poupar, sempre de olho na poupança. Não compro produtos de cosmética sem desconto. 

 

E por falar em poupança na próxima semana tenho uma notícia EXCELENTE para vos contar. Aconteceu comigo (com a vossa ajuda!). Poupei 400€! Apareçam por aí!

 

SEM TELEVISÃO E INTERNET | E AGORA?

dc4c30cd3cb7173dcfaa9a846fb868a7.jpg

 

 

Eram dez horas da noite quando ficámos sem serviço de televisão e internet. De tarde tinha estado um técnico a mexer na caixa de ligação para ligar o serviço do vizinho de cima. Fizemos a ligação para a empresa de telecomunicações e só podiam agendar um técnico hoje às duas da tarde.

 

É frustrante quando acontecem situações como esta. Não são inevitáveis nos tempos modernos.  Parece que uma pessoa já não sabe viver sem estes serviços. Para além disso tenho as facturas todas pagas e a culpa não foi nossa. Ainda recebi uma bela resposta por parte da colaboradora que me deu vontade imediata de anular o meu contrato. "Antigamente ninguém tinha televisão". Infelizmente tenho mais um ano de fidelização. Caso contrário era naquele momento. No final acabou por me pedir desculpa e dizer que o piquete só funciona até às dez da noite. "Como deve calcular os funcionários precisam de descansar". Ainda sugeriu colocar saldo numa placa de banda larga para eu não ficar sem internet no portátil. Infelizmente não tinha. Até fiquei surpreendida, confesso. 

 

Eu não tenho problemas de ficar sem televisão ou internet porque tenho os meus livros para me salvar sempre. Se vivesse sozinha não teria televisão sequer. Prefiro mil vezes a internet do que a televisão por cabo. Adiante, consegui manter os miúdos entretidos mas o marido ficou meio sem saber o que fazer. Ele adora ver séries e filmes. Disse-lhe logo para ele agarrar num livro, mas não convenci. E os miúdos adoram os desenhos animados  antes de adormecer. 

 

Hoje às duas da tarde a situação ficou resolvida mas a pensar seriamente na dependência de uma pessoa. Foram apenas algumas horas. E se tivessem sido vários dias? Usam placas banda larga? Quando ficam sem internet no portátil como fazem? Pegam num livro ou ficam à beira de um ataque de nervos?

 

 

 

 

(QUASE) DE REGRESSO

 

Regressar a casa é sempre tão bom. Adoro sentir-me viva e produtiva. Adorei chegar a casa e ter tudo no lugar, sabem? Bastou tomar um duche e desfazer as malas. E fiz assim que meti o pé dentro de casa. Queria despachar o mais chato e sentir-me leve. Queria encostar a cabeça na almofada e sentir o cheiro do meu quarto. Nada melhor do que sentir a nossa casa o melhor lugar do mundo. Mesmo longe do mar e da natureza infinita para onde fui.

 

As férias correram bem. Passear, voltar a lugar onde adoro ir. Mostrar aos meus filhos lugares bonitos de Portugal. Comer muito e bem. Conhecer novos restaurantes, olhar o mundo pelos olhos dos mais pequenos. Testar os meus níveis de paciência tal as birras espontâneas e sem propósito. Muita calma nessa hora. Li muito e conheci novas pessoas. Reflecti bastante em relação ao caminho feito e ao caminho que pretendo fazer a nível profissional. Elaborei mentalmente um plano. Estar de férias e pensar no futuro não devia ser permitido de forma a aproveitar o presente. Falei com o meu marido sobre as minhas intenções futuras e tive todo o apoio.

 

Percebi onde quero estar. O tema já nem se trata com quem quero estar, esse está resolvido e tratado eficazmente. Interessante como as portas das oportunidades surgem quando começamos a mexer os pauzinhos. Quando procuramos de verdade as soluções. Hoje sinto-me mais focada do que nunca. Cheia de ambição e vontade de trabalhar para alcançar os meus objectivos. 

 

Vamos, a vida é todos os dias. E nada se consegue sem trabalho e vontade. 

 

 

AMIZADES PARA A VIDA E ALGUMAS QUE FICAM PELO CAMINHO

 

Antes de ir de férias tenho umas coisas para deitar cá para fora. Vamos a isto? Respirar fundo. Deixem-me só ligar a música. Ok.

 

Sobre isto das amizades e relações. Separo a minha vida entre antes e depois de ser mãe. Verdade. Mudei imenso com a maternidade. O foco, os objectivos, a maturidade e a paciência. O que parecia mega importante antes acabou por perder força depois do nascimento do primeiro filho. E as conversas dos outros deixaram de ser tão entusiasmantes. Mas claro, uma pessoa não pode deixar de socializar por causa disso. O mundo está cheio de diferenças e precisamos de respeitar.

 

Quanto aos amigos de longa data. Ui. As coisas não foram muito fáceis. Enquanto que alguns se afastavam, outros permaneciam perto. E gerir as emoções não é fácil. Metam em casa uma mãe cansada, irritada por falta de descanso, todos os dias com um bebé sem ver amigos. Nessa altura queremos falar de fraldas, vacinas e chuchas com alguém. E claro, nem toda a gente quer levar com isso. Mas enquanto alguns se afastavam eu comecei a ver grandes diferenças no meu grupo de amigos. Um grupo enorme para sair à noite transformou-se em meia dúzia de gatos pingados a jantar lá em casa num tom mais baixo para não acordar a criança. A gota de água foi quando a melhor amiga deixou de aparecer após o primeiro/segundo mês de ter sido mãe. Mas vá, uma pessoa relativiza, tem uma conversa quando volta à rotina habitual e tudo parece ser como antes. 

 

Mas não é. Claro que não é. O tempo não é igual e há uma diferença enorme na compatibilidade de preferências. Mas quando gostamos fazemos um esforço. Dedicamos tempo. Eu amamentei até o meu filho ter um ano. Portanto tinha de tirar leite frequentemente. Mas cheguei a ir a uma festa só para estar com aquela amiga. Cansada, a segurar as pálpebras enquanto fingia que não estava só a pensar no meu filho em casa. Com o tempo deixamos de nos ver e somos substituídas por outras amigas. Ok, uma pessoa aguenta. É só uma fase. Tenta entender o que se está a passar mas nunca há uma explicação.Nem tem de haver. As pessoas mudam e os caminhos deixam de se cruzar. 

 

Também fiz novas amizades. Mães, sobretudo mães com quem podia conversar sobre a minha nova fase. Foi bom, aprendi muito e tive direito a novas experiências. Ganhei uma nova amizade muito especial com quem criei uma ligação igualmente especial. Nessa altura era muito tolerante, estava a aprender a lidar com tudo. E olhem que não é pouca coisa. Uma mãe é obrigada a nascer no mesmo momento que nasce o seu filho. Sem dramas, vá. Mas a tolerância desvaneceu-se. Calada reparava nas "amigas e amigos" que deixaram de aparecer. Calada reparava na ausência de mensagens e convites. Pensei, deve ser normal. E era, estava a acontecer com a tal nova amiga. Então, acabámos por nos ajudar uma à outra. Mas foi sol de pouca dura, os problemas dela sempre estavam em primeiro e eu passava a vida a tentar segurar com as duas mãos a sua autoestima, a minha e duas crianças para cuidar. Um dia falo sobre a minha fase "ajudar os outros e esquecer de mim". 

 

O meu  pilar durante os altos e baixos foi o meu companheiro. E nisso sou uma sortuda. Acho que é importante ter um porto seguro em quem podemos confiar. Não fosse a confiança tão importante na vida de alguém que precisa de equilíbrio.

 

Depois surgiu a segunda gravidez. Vá, vamos dar novas oportunidade às pessoas. E claro, quem tinha desapontado voltou a desapontar. Em dose dupla ninguém quer tolerar. E se a minha tolerância era pouca, acabou por desaparecer. Bolas, eu vivo tão perto e bastava só tocar à campainha para dizerem "olá". Mais conversas, mais tentativas. Não dá. Aprendi que "não vai ficar pior" quando tomamos uma decisão. E fui obrigada a parar para não me continuar a magoar. Obviamente que estou a falar por alto sobre todo o assunto, ficaria aqui uma vida se vos fosse contar detalhes. 

 

Quando nos sentimos magoados ou frequentemente mal por causa de alguma amizade podem ser amizades tóxicas. E a libertação depois do fim é só o sentimento mais leve que podemos experimentar. Nem todas as amizades precisam de ser mantidas até ao fim da vida simplesmente porque "já nos conhecemos há tantos anos".

 

Foi importante repensar as minhas amizades. Mas foi difícil não construir um muro depois das desilusões. Então, fiz uma porta para entrar e sair. Dou sempre o beneficio da dúvida em relação às pessoas que surgem na minha vida. Eu sou pessoas para falar, confiar e estar. Mas facilmente corto pela raiz. Não aguento energias negativas. Nem preciso. Limpeza mental cria espaço. E não há nada mais importante para mim do que paz espiritual. 

 

Continuo a criar momentos com os meus amigos. Em casa com jantares. Beber uma bebida fresca durante o fim de semana para meter a conversa em dia. Cinema esporadicamente. Visitas. Mensagens e conversas de chat frequentes. Momentos importantes e festivos. E adoro cada momento. Deixo as conversas sobre fraldas para as mães existentes no escritório. 

 

Eu adoro conversar sobre tudo um pouco. Tenho os meus assuntos preferidos da vida, e não se limitam de todo à maternidade. Nunca se limitaram. Adoro pessoas e a  diversidade do mundo. Estou muito grata com o caminho traçado, com quem está à minha volta e estabeleço uma relação. E muito orgulhosa por ter ultrapassado os tempos de chuva sem guardar rancor.

 

Bem, vou terminar, acho que já divaguei imenso e não fui muito conclusiva. Bom fim de semana para todos.