Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

Querem lá Ver

Um ano sem comprar roupa transformou-me

67/365 Como faço para comprar muitos livros e poupar dinheiro?

por Cláudia Oliveira, em 28.01.16

Este ano decidi só comprar os livros que pretendo ler brevemente em vez do velho hábito de acumular livros para formar uma biblioteca pessoal. Tem funcionado. Como estou de baixa, tenho mais horas livres para ler. As insónias são mais comuns nesta fase da gravidez. Se não tenho sono, vejo um filme ou leio um livro.

 

Segundo os meus apontamentos (agora anoto tudo), em Janeiro, comprei oito livros e fui presenteada com dois. Dos dez livros, li quatro. Mas vou ler os outros ainda este ano. O livro mais caro foi 16.51€ e o mais barato foi 5€. Comprei quatro livros por 5€ e dois livros por 9€. No total gastei 69.03€, dá em média 6.90€ por cada um. Nada mal. 

 

Vou dar-vos algumas dicas 

 

Compro vários livros em segunda mão como novos: pesquiso no google pelo titulo do livro juntamente com as palavras "vendo" ou "segunda mão". Normalmente o google manda-me para o site olx ou bibliofeira. Por exemplo, comprei um livro da Jane Austen por 5€. Esse livro costuma custar 16€ nos sites de vendas de livros. Foi uma rica compra, não é verdade?

 

Compro imenso em grupos do facebook: Livros para venda até 12€Venda de livros igual ou inferior a dez euros. Estes são os meus preferidos. Nunca tive problemas. Encontro lançamentos com preços muito bons. Devem existir mais, mas só sigo estes. Não convém ter vários grupos e ser tentada regularmente. 

 

Aproveito as promoções dos supermercados/lojas virtuais: Recebo emails com as promoções e faço uma visita diária aos meus sites preferidos. Nos sites só compro dois tipos de livros: lançamentos que quero ler muito mas não encontro nos grupos acima mencionados e livros em promoção que não costumam estar em promoção. Devido às visitas regulares que faço aos sites, conheço os livros que estão sempre em promoção. Se não comprar agora, compro depois. No supermercado existem boas promoções. Recentemente comprei livros do Paul Auster por cinco euros cada. Também nunca trago um livro só porque está barato. Tem de ser um autor que quero ler há muito tempo ou um livro super recomendado por alguém em quem confio. 

 

Estabeleço um valor mensal para os livros: É um dica preciosa. Ao estabelecer um valor mensal consigo jogar um bocadinho com o que compro agora ou compro depois. Faço melhor a selecção de livros para comprar durante o mês. 

 

Anoto os livros comprados e lidos: Desta forma sei o valor gasto em livros e se estou a ler os livros comprados. Gastar dinheiro para ficar empatado na estante não é uma boa forma de poupar. E o objectivo é poupar, não é verdade? Desde que comecei a anotar, a minha mente não deixa que eu compre livros antes de ler a maioria dos livros novos da estante. Para além disso, não me esqueço dos títulos novos.

 

Espero que estas dicas sejam úteis. 

62/365, 63/365... 66/365 Onde cortar no orçamento?

por Cláudia Oliveira, em 27.01.16

Não sei se já vos contei mas tenho um caderno onde anoto todas as despesas e ganhos mensalmente. No final do mês consigo ter uma noção para onde foi o meu dinheiro. As despesas "surpresa" e os gastos menos urgentes. Cheguei à conclusão que com a chegada de uma prestação devido ao pacote net+tv+telefone (24.90€) precisava de cortar noutra despesa. Não é fácil, mas é possível ao analisar em pormenor cada gasto.

 

No mês anterior (alguns gastos)

 

Jornal Público (sextas-feiras, 4 vezes por semana): 6.80€

Análises 70€

Farmácia 30€

Fotos do Gustavo reveladas 19€

Livros 60€

 

Se tudo correr bem não vou ter surpresas no valor das análises (pois já paguei a caução), nem em farmácia. Aliás, conto ter apenas mais uma consulta (20€) para além das consultas no Hospital público. Também passei a ir à biblioteca ler o Público em vez de o comprar. E claro, não pretendo gastar 60€ em livros novamente nem revelar mais fotos do Gustavo.  

 

A Francisca vai nascer, mas já comprei tudo o que preciso. Aliás, aproveitei as promoções do Continente e um vale de desconto em cartão de dez euros para comprar fraldas para os dois miúdos e toalhitas. Ainda pretendo regressar no fim de semana para comprar mais. Pretendo amamentar como fiz com o Gustavo. Para além de outros benefícios, poupei muitos euros em leite. 

 

Também passei a ir à biblioteca ler o Público em vez de o comprar. A Biblioteca é mesmo ao lado da minha casa! E claro, não pretendo gastar 60€ em livros novamente nem revelar mais fotos do Gustavo.  

 

Finalmente recebi uma carta da S.Social onde fui informada do escalão e do valor que irei receber do pré-natal. O valor já tem destino. O Gustavo também vai começar a receber abono (pela primeira vez!). A baixa só será paga lá para meados de Fevereiro. 

 

Coloquei seis semanas do desafio 52 semanas no mealheiro. Não estou à espera das próximas segundas-feiras, acho mais fácil assim. Calculo o valor que posso guardar, escolho as semanas e coloco o dinheiro de parte. Risquei as semanas no calendário do desafio. Neste momento, tenho dez semanas completas. Tenho de colocar dinheiro no final de Fevereiro novamente. E nessa altura recebo da baixa. 

 

19133436_QEppH.jpg

A sensação de dinheiro poupado é quase tão boa como a sensação de correr alguns quilómetros. Libertador, inspirador e motivador. Ter algum dinheiro extra dá-me uma sensação de conforto. Acabou-se aquela sensação que eu tinha sempre que ia ao multibanco. Ficava de mau humor ao ver o meu dinheiro desaparecer e o final do mês tão longe. 

53/365,54/35...61/365 Isto precisava de ser actualizado (Diário de Gastos)

por Cláudia Oliveira, em 22.01.16

Livros

Sessenta dias? Uau. Tem sido fácil, admito. Com esta barriga não dá vontade de comprar roupa nova. Nem sequer de ir passear aos centros comerciais. As únicas compras que fiz foram três livros com descontos de 20%. Nada mau. Tenho conseguido ler bastante, logo não tenho acumulado livros novos por ler. Compro apenas os livros que pretendo ler no momento ou grandes promoções, com 50%. Mas evito. a biblioteca também tem sido minha amiga. Ao contrário da Segurança Social.

 

Segurança Social

 

Vim de baixa no dia 4 de janeiro. Pensava que ia receber a baixa hoje, segundo o mapa deles. Recebi apenas sete dias de baixa, porque eles não pagam os primeiros três e porque o resto da baixa não foi processada. Tão bom, não é? Nada de pré-natal, já me devem vários meses. Uma pessoa não pode contar com este país para nada. Tem de se safar como pode. E lá tive de recorrer ao plano b. 

 

Foco

Eu sei que devia ter poupado antes, mas nem a vida me permitiu isso, nem nunca pensei antes de pensar em casar e ter filhos. Fica a dica, mete algum dinheiro de parte do teu ordenado, é importante. Como nunca é tarde, decidi que mal ou bem, estava na altura de mudar. E estou confiante, venham lá os obstáculos que vierem.

 

Poupança

A poupança do desafio 52 semanas continua. Esta semana ainda não tinha conseguido colocar dinheiro, mas hoje vou colocar. As compras desnecessárias acabaram. Nada de roupa, nada de sapatos, nada de acessórios. 

 

Net+TV+Telefone

Andei à procura do melhor pacote net+tv+telefone e encontrei. Vou pagar 25.90€. O serviço será instalado na segunda-feira. Andei a adiar, mas preciso realmente de um serviço de net em condições. Vou ficar em casa durante muitos meses. Andei a pensar onde posso cortar para substituir este valor adicional no final do mês, mas ainda não encontrei nenhuma resposta. Acho que já não posso cortar em mais nada. Se lembrar-me de algo, aviso. 

 

Gastos futuros

Ainda não fui tratar dos óculos. Obrigada segurança social, uma salva de palmas. Entretanto, tenho mais algumas viagens para fazer ao hospital, vou começar com os CTGs e os "toques". Também tenho uma análise para fazer e mais uma consulta com o meu médico. Mais dinheiro a sair. 

 

48/365, 49/365...52/365 Poupar é um estilo de vida

por Cláudia Oliveira, em 13.01.16

Isto de poupar não tem de ser uma sufoco. É como as dietas. Comer bem, fazer exercício, não quer dizer que tenho de ter restrições de todo o tipo. Acaba por ser um estilo de vida com o decorrer dos dias. Acaba por ser parte do meu dia a dia. Sem stress, sem complicações. Quando a poupança passou a ser um acto natural, um pouco do que sou hoje, deixei de ter medo de enfrentar as montras dos centros comerciais ou ver sites de moda com promoções. As minhas compras deixaram de ser feitas de forma irracional. Passei a pensar duas vezes, ou a usar mentalmente a seguinte frase "preciso realmente disto? se precisar, volto". Engraçado, acabo por não voltar, acabo por fechar o site (de roupa, livros, futilidades). Percebi que sei reutilizar o que já tenho, gosto de usar as mesmas peças de formas diferentes, de ler os livros que estavam a ganhar pó e encontrar autores incríveis. Não deixei de comprar livros. Primeiro leio alguns, depois penso nisso. Acumular passou a pertencer ao passado. O dinheiro deve ser gasto de forma inteligente. Não preciso de ficar fechada em casa nem tornar-me numa pessoa forreta, avarenta. Poupar também é um estilo de vida mais equilibrado. 

Sinto-me equilibrada, inspirada, mas sobretudo mais confiante no futuro. 

45/365, 46/365, 47/365 A caução do seguro de saúde

por Cláudia Oliveira, em 08.01.16

Quando o ano começa o meu seguro de saúde volta a ter uma caução incial de cinquenta euros. Infelizmente é assim, mas esqueci-me completamente. Hoje, quando fui fazer análises, levava na carteira apenas dez euros. Seria suficiente. Errado. Era necessário pagar a caução. O seguro só pagou vinte euros, dos oitenta e sete euros no total. Logo, tive de pagar o resto. Doeu tanto. Uma pessoa faz de tudo para poupar e gastar bem cada cêntimo para surgirem estas rasteiras. Comecei logo a pensar em formas de dar uso ao seguro de forma a compensar o valor da caução. A primeira ideia foi mudar de óculos, estas lentes já deram o que tinham a dar. Portanto, na próxima semana vou ver se trato disso. 

42/365, 43/365, 44/365 Um aniversário poupado

por Cláudia Oliveira, em 05.01.16

Só hoje contei ao marido sobre o desafio 52 semanas. Ele gostou bastante da ideia. Já viram que o desafio teve adesão de muitas pessoas? Isso é fantástico. Parece que vamos ter muitas pessoas a poupar em 2016.

 

Estou confiante. Já estive duas vezes num centro comercial após a minha decisão e não foi nada complicado ver as promoções. Os emails apago-os. Ainda não senti aquela vontade avassaladora em gastar dinheiro. Ainda. As únicas compras que fiz, foram quatro livros (cinco euros cada) no Continente. Gastei vinte euros para oferecer-me livros. Como um presente, pois faço anos amanhã. Também tive a sorte do meu marido oferecer-me outro livro que queria imenso e a minha irmã também. Se me perguntarem o que quero como presente a minha resposta será sempre a mesma: livros. 

 

Amanhã vou buscar dois bolos à fábrica da minha mãe e padrasto. Não vou precisar de gastar dinheiro em bolo de aniversário. Só vou comprar champanhe. Achei que era mais justo festejar o meu aniversário de uma forma poupada. Será apenas uma forma de juntar alguns amigos após a chegada do novo ano, sem "obrigar" ninguém a gastar dinheiro numa refeição no restaurante. Para além disso é mais confortável estar em casa com este tempo e miúdos pequenos. No sábado a minha mãe quer dar um jantar em casa dela para juntar a minha festa e da minha sobrinha (também nasceu no dia seis).

 

E com esta brincadeira já se passaram 44 dias a poupar. 

41/365 Fui aos saldos e não comprei nada para mim

por Cláudia Oliveira, em 02.01.16

Leram bem no título. Fui aos saldos e só comprei roupa (e afins) para os meus filhos. Coisas extremamente essenciais.

Primeiro entrei na Zippy, comprei o que mais precisava para a Francisca. Acho que já tenho tudo. Ter dois filhos com idades muitos semelhantes ajuda em termos económicos. Pelo menos nesta fase. Tenho várias coisas que eram do Gustavo, agora será ela a usar. Desde toalhas, lençóis, bodys, casacos, calcinhas, acessórios (banheira, cremes, etc).

 

Depois espreitei a Zara mas a fila era gigante. Decidi ir à C&A, com descontos muito bons. Aliás, tem peças com 50%. As peças que comprei não tinha desconto, mas já estavam com um preço óptimo. Aproveitei e comprei alguma roupa para o Gustavo. 

 

O melhor de tudo é que não gastei nada do meu dinheiro. Foi tudo pago com os vouchers oferecidos pela empresa onde trabalho e com algum dinheiro que a minha avó deu no Natal. 

39/365, 40/365 O que aprendi com esta passagem de ano

por Cláudia Oliveira, em 01.01.16

Compensa mais jantar em casa e ir festejar depois. Gastámos quinze euros cada um, éramos um grupo de cinco pessoas. Sobrou imensa comida e bebida. Sobretudo, doces. Não vale a pena haver tantas entradas na mesa. O grupo só comeu o camarão e paté. Em relação aos doces também foi um exagero. Basta um, dois doces no máximo. Os copos de plástico é a melhor opção neste tipo de festas. Quem recebe os convidados tem sempre imenso trabalho no dia seguinte. O mais importante é a alegria e começar o ano com esperança e confiança. É isso que eu sinto em relação aos meus projectos e desafios. Um ano novo, merece renovação. 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Tags

mais tags