Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

queremlaver

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

contactoclaudiaoliveira@gmail.com

DA LIBERDADE A UM ESPAÇO DE REGRAS INVENTADAS

 

Nem sempre a imagem que passam nas redes sociais é a mais verdadeira. Conheço casos muito reais e tenho medo de um dia confundir a realidade com tudo o que passo através dos meus blogues ou canais. É muito fácil cair nesse engano e tropeçar nos próprios pés. Sendo eu muito terra a terra acabo por só dar um passo depois de refletir muito. Mas nunca sei quando me pode dar a maluquinha e ultrapassar todos os limites sem dar conta. Posso perder o fio condutor. Existem casos reais. Claro que eu não quero ser mais uma peça desse baralho nublado, dos jogos e disputas desenfreadas contra a parede para obter números, seguidores ou muitos presentes na caixa de correio. Não quero de todo e à partida posso jurar que nunca vou cair nessa rede. No entanto, precavida acabei por ir questionar as pessoas que estão ligadas a mim. Ligadas no sangue, na alma e na vida. Pessoas que não se limitam às  palmadinhas nas costas. Preto no branco. Quantas pessoas tens do teu lado assim?

 

“Vês-me como uma pessoa organizada? Decidida? Motivada?”. Resta-me partilhar convosco que tenho boas noticias e poso respirar de alivio. Dormir descansada. Mesmo sabendo é bom escutar quem conhece a nossa essência. Sou tudo o que pinto e não sendo perfeita assumo que tenho medo de cair no ridículo. 

 

Relembro que a vida é demasiado séria, as pessoas demasiado aborrecidas. Fazem da liberdade um espaço de regras inventadas. Quem vos disse que temos de seguir um critério nesta vida? Deus ou o juiz? Não quero pertencer ao ciclo vicioso e não posso esquecer-me que as bocas falam sempre, mesmo quando não fazes nada. Não, espectadora é que não. Sempre rodeada de quem me segura, prende e sussurram“olha, estás a exagerar”.

 

Cuidadinho com aqueles amigos que não dizem nada por “pena” ou para  "proteger”. Seguram o balde de pipocas com gargalhadas silenciosas, mastigam lentamente enquanto apertam o play ou abrem a aba do blogue. Nem o raio de um elogio ou incentivo. Cuidado. São as primeiras a ver tudo. 

NÃO CONTES TUDO

 

Escuta, não contes os teus planos. Revela parte, a vontade, as motivações. Nunca mostres tudo, nunca contes tudo nas redes sociais. Lembra-te que existe sempre por aí quem tem olho gordo, quem deseja que escorregues. Não tem nada a ver com inveja, porque isto não tem o que invejar. Mas infelizmente existem pessoas que querem tudo o que os outros têm. Mesmo quando só têm um sorriso. Normalmente são as mesmas pessoas que têm tudo. Conta quando tiveres a vitória nas tuas mãos. Para a tua mente não dar como garantida uma vitória e o teu esforço seja duplo. Podes planear, podes definir, mas não te esqueças que a vida tem curvas. E as curvas têm voltas. E as voltas atraem coisas boas.

A PALAVRA QUE EU ESCOLHI PARA 2018

 

Como aconteceu o ano passado resolvi escolher uma palavra que suportasse todos os meus objetivos. Em 2017 queria focar-me nas minhas poupanças e resolvi colocar as minhas energias nisso. A palavra escolhida o ano passado foi “Poupança”. Correu tão bem!

 

Este ano vou mudar o meu foco para o lado profissional. Quero mais. Quero trabalhar afincadamente para isso. Portanto, chegou a hora de colocar a meta bem à frente dos olhos. Acho importante seguirmos o nosso caminho e ouvirmos a nossa voz. Com a verdade podemos destacar o que temos de melhor e transformar os nossos dias.

 

Podemos alcançar os nossos objetivos com muita força de vontade e brio. É nisso que me agarro quando trabalho e estudo diariamente para produzir algo nesse sentido. Dedicação e esforço, porque ninguém vai a lado sem deixar a preguiça de lado. Nisso eu sou excelente, não sou de todo preguiçosa. Sou batalhadora e persigo os meus sonhos. Mas tenho perfeitamente a noção que posso melhorar. Para isso preciso de dar novos passos, foi nesse sentido que escolhi a palavra no próximo ano.

 

ARRISCAR será a palavra que irá acompanhar-me em 2018. Arriscar nos meus projetos, ideias. Dizer mais “SIM” (depois das limpezas deste ano está na hora de começar a aceitar o melhor) a eventos, viagens, desafios, pessoas. Deixar a timidez de lado e avançar sem medos. Arriscar nos meus desejos profissionais e ambição. Encher o peito de ar e partir à aventura. Prefiro tentar do que olhar para trás e ver que fiz pouco. Parar com os complexos, pegar em tudo o que este ano me deu de bom e voar. Preciso de largar aquilo que me segura e insiste em ir contra a minha ambição. Mas cuidado, sempre com os pés assentes na terra. Não fosse eu uma pessoa ponderada (talvez demais, daí o ARRISCAR mais).

 

Como é que cheguei a esta palavra? Numa folha em branco coloquei as palavras chave dos meus planos gerais. Das palavras chave juntei tudo e tentei descobrir o que precisava de fazer para concluir com sucesso cada um. E voilá, ARRISCAR  tornou-se numa prioridade.

 

Estou preparada para 2018. Cheia de força de vontade. Ano novo, vida nova. Venha ele!

 

Preparados para o ano que está a chegar? Já escolheram a vossa palavra para 2018?

 

COMO POUPEI MAIS DE 2000 MIL EUROS?

 

 

Antes de avançar, esta é a minha experiencia pessoal, de acordo com a minha realidade. O objetivo deste texto é tentar dar algumas dicas de poupança que utilizei ao longo do ano. Nunca será ofender ou vangloriar-me. Até porque “toda a gente” sabe que eu era uma pessoa com muitos problemas financeiros e sempre tive coragem de admitir isso. Note-se, o verbo “ser” está no passado.

 

Tive algum receio em publicar este texto, mas está na altura de fazer os devidos balanços dos objetivos. Acho que está na hora de refletir e perceber como é que eu consegui chegar onde queria.  Para não me esquecer e manter!

 

Consegui mudar num ano. Como? É exatamente isso que pretendo partilhar. Repito, é a minha experiência, obviamente que a realidade das outras famílias é diferente da minha. Também podem ler os textos que escrevi ao longo deste ano para ver algumas situações.

 

Ao contrário dos que possam pensar não precisam de ficar sem vida social para poupar alguns euros. O melhor deste exercício de poupança é ver as mudanças ganharem frutos e ficar com vontade de poupar cada vez mais. Mudamos por dentro. O meu estilo ligado ao minimalismo também está bem implementado na minha mente e não sinto nenhuma espécie de tristeza por não adquirir “coisas”. Pelo contrário.

 

Não tenho um ordenado enorme, somos quatro em casa e tenho as despesas comuns da maioria (casa, carro, água, luz, alimentação, seguro, gasóleo, infantário).

 

Vamos à lista:

 

- Muita força de vontade

Para mudar foi preciso muita força de vontade. Eu queria realmente mudar e transformar as minhas finanças. Sobretudo a minha relação com o dinheiro. E isso é o primeiro passo. Sério. Deixar a típica frase: “não consigo poupar”. Mesmo para os mais céticos, não há volta a dar, a força de vontade é tudo.  Mas não chega, claro.

 

- Organização

Experimentei vários métodos de organização. Comigo só funcionaram os mais simples. Faço o registo diário das despesas no meu Bullet Journal. Consegui ver onde gastava mais dinheiro e comecei a fazer mudanças nos meus gastos. Foi perfeito. Agora é um hábito diário.

 

- Parei de fazer compras

Pois, não há milagres. Uma coisa aqui, uma coisa acolá são sempre euros que saem. A roupa e os acessórios de moda deixaram de fazer parte dos meus gastos. Os livros preencheram uma percentagem mínima dos meus gastos. Antes faziam parte de uma percentagem muito grande. Nada de comprar tecnologia a crédito ou ir a correr investir num novo portátil porque estraguei outro. As compras são feitas só em promoções. E de forma coerente. Também deixei de ir tanto aos centros comerciais ou tirar um dia para fazer compras.

 

- Abri uma conta poupança

Foi um pequeno grande passo para poupar. Comecei a colocar uma pequena parte na conta no inicio de cada mês e o dinheiro que sobrava no final também. A tendência no passado era gastar o dinheiro que tinha sobrado. Um erro. A conta engordou aos poucos desta forma.

 

 

- Férias sem luxos

Este ano optámos por fazer férias mais contidas. Foi uma escolha em família de forma a usufruir de outras coisas como restaurantes e passeios. É possível viver com o mínimo e estar bem. É possível ter as condições básicas, estar feliz com um dia de praia e conhecer lugares bonitos em Portugal. O luxo é uma questão relativa. Para mim estar de férias com a minha família já é um luxo, sobretudo se estivermos com saúde. Não sou exigente. Também fui a Paris e consegui com pouco fazer o que queria. Fiquei na casa de uma tia o que facilitou imenso as despesas, o lugar era muito bonito e a casa dela um pequeno luxo. Viajei muito de comboio e metro no centro de Paris.

 

- Pagar dentro dos prazos

Uma mudança significativamente foi o pagamento das faturas dentro dos prazos. Pagava sempre juros por causa de um dia de diferença. Também pagava imensos juros do cartão de crédito até ao dia em que paguei o cartão de crédito na totalidade e acabei com essa despesa. Acabei com o cartão de crédito dos supermercados também. Falta-me o crédito do carro que pretendo pagar antes do prazo. Veremos como corre o próximo ano.

 

- Vendi

Na verdade, só vendi o meu Kobo, mas de grão a grão… É uma opção para quem quer ver entrar alguns euros e ficar com menos tralha em casa.

 

- Procurar soluções

O caso das finanças que eu contei este ano é um exemplo. Antigamente pagava e não ia atrás de reclamar seja o que for. Mas temos de ir atrás, perguntar, poupar todos os euros possíveis. Ver os juros, colocar todas opções em cima da mesa e escolher a mais conveniente.

 

 

- Marmitas

Gastar o mínimo fora de casa compensa imenso. Desde lanches, cafés, tudo o que der para poupar eu sou fã.  Mesmo na escola evito ao máximo, prefiro comer em casa.

 

-Seguro de saúde

Para despesas de saúde utilizei sempre o seguro de saúde.

 

- Uma só viagem

Imaginem que pegava no carro para ir até Lisboa. Tentava conciliar tudo o que precisava para esse dia de forma a não gastar mais em portagens e gasóleo.

 

-Fiz muitos programas em casa, em família

Jantares com amigos fica mais em conta feitos em casa. Ou lanches. També não me importo nada de ficar em casa a ler, a fazer desenhos com os miúdos e ir à biblioteca ou ao jardim dos arredores.

 

- Li e pesquisei muito

Verdade, li alguns livros e vários artigos na internet sobre o assunto. Foram fulcrais para as minhas escolhas. Todos os links partilhados no grupo de poupança ajudaram-me muito.

 

Por favor, larguem a ideia que não conseguem poupar e organizem-se. É importante alterar certos hábitos enraizados e mudar a postura. Mesmo que seja pouco, sempre é alguma coisa. Eu era assim, sempre achei impossível construir uma poupança ou sentir esta segurança financeira. No entanto, acho possível melhorar e pretendo poupar mais no próximo ano. Pretendo ser melhor na arte da poupança e tudo farei para continuar a cumprir estes tópicos.

 

Instagram @ClaudiaOSimoes

 

O QUE PRECISO MUDAR EM 2018

 

 

Ser mais flexível

Ganhei uma capacidade imensa de cortar pela raiz o que eu não gosto, aprimorei a técnica de tal forma que passo a vida a riscar pessoas. Qualquer dia odeio pessoas e não é de todo o meu intuito. Eu adoro pessoas, quero continuar com fé na humanidade e nos valores como companheirismo, amor e amizade. Não quero deixar de criar laços. Preciso de conviver de forma mais flexível com pessoas totalmente diferentes de mim sem levar a peito certas atitudes no dia a dia. Nos últimos meses adquiri um bocadinho desta aptidão, ultrapassei situações que me fariam nunca mais dirigir uma palavra sequer. E alguns casos acabou por acontecer, mas ainda bem. Chego ao final de 2017 sem guardar rancor e feliz por ter o coração quentinho. Aprendi que distância não gera distância, gera paz. Há algo mais precioso?

 

Planear Menos

Recentemente li a seguinte frase de Agostinho num livro e fez-se luz: "Não faças demasiados planos para a vida, porque podes estragar os planos que a vida tem para ti". Não quero deixar de planear de todo, mas quero reduzir alguns planos gerais. Por exemplo, quero continuar a planear a minha semana, o curso, os trabalhos, no entanto vou deixar que a vida me leve e me surpreenda. Este ano os projectos de leituras foram menos que os anos anteriores. Dei-me descanso e não exigi tanto de mim mesma. Começo a perceber que tenho boas surpresas quando arrisco de forma espontânea. Farei do ano 2018 aquilo que ele quiser. Agora que mantenho uma fórmula de organização e rotina sinto-me pronta para dar este passo.

 

Dedicar-me à escrita

Chega de adiar o grande sonho. Vou reunir todas as condições necessárias para fazer uma das coisas que mais amo e levar as coisas mais a sério. Não quero antecipar o que pretendo fazer porque aprendi que só devemos falar nas coisas depois de concluídas. É sobretudo, escrever. Tenho lido mais, escrito menos, mas pretendo mudar as coisas ligeiramente nesse sentido.

 

Mais cultura

Pois é, literatura é cultura, mas senti muita falta de conhecer mais este ano. Sobretudo de ir a museus, exposições e concertos. Consegui ir a vários lugares e restaurantes este ano mas não consegui ir a tantos eventos culturais como gostaria. Adquiri o hábito de ler o jornal semanal e adoro. No entanto, quero mais cultura. Estudar mais, respirar arte.

 

E por aí? Já estão a pensar no que precisam mudar?

 

COMO CORREU A BLACK FRIDAY?

 

Na sexta feira fui às compras por volta das 20 horas. Dolce Vita Tejo, o meu centro comercial preferido para fazer compras. A única loja que falta ali dentro é a Fnac. Depois do Dolce Vita é o Colombo, mas nem sequer ia arriscar ir num dia de Black Friday. Felizmente não estava muito caótico e deu para fazer as compras nas calmas. Só na restauração é que estava uma confusão, mas consegui arranjar mesa mesmo assim.

Comprei sobretudo roupa os meus filhos e um presente de Natal. Para mim comprei umas botas com um preço absurdamente barato com um padrão giro, duas camisolas quentes e collants opacas. Não gostei muito das promoções praticadas, prefiro desconto direito do que as campanhas (compre 3, pague 2; compre 3, receba 3). Faltou vários itens da lista, mas decidi comprar em saldos. Tenho tempo.

No sábado voltei às comprei, mas desta vez fui ver o Fórum Montijo. Já não ia ao Fórum há muito tempo. Era para passar no Freeport, mas estava a chover e li algumas criticas no Facebook que me desanimaram. O Fórum Montijo está bonito, decorações lindas e as promoções eram boas em algumas lojas. Consegui um presente por metade do preço em relação ao preço do Dolce Vita. Ainda bem que esperei. Também comprei um brinquedo de qualidade a um preço muito acessível. Comprei roupa na New Yorker, mas o meu marido quis oferecer tudo como presente de Natal. Estava a precisar de renovar algumas peças já gastas. No final do dia quando regressei a casa lembrei-me que tinha as camisolas grossas guardadas numa caixa debaixo da cama. Voilá, fiquei com o armário cheio de roupa “nova” num fim de semana. E gastei muito pouco.

Quanto aos livros aproveitei bem as promoções. Hoje chega a primeira encomenda, quarta talvez chegue a segunda. Em ambas as encomendas vou receber um livro grátis. Não cedi em outras compras ( e-reader, câmara e portátil novo) depois de ter ponderado bastante se valia realmente pena e quais eram as minhas prioridades.

Muito satisfeita com o meu comportamento consciente. Vou conseguir poupar mais do que estava previsto.

O QUE PRETENDO MANTER EM 2018

 

 

 

Antes de falar em mudanças quero refletir sobre o que aconteceu em 2017 e encontrar lições preciosas para levar comigo na bagagem da vida para 2018.  Como já tinha denunciado, este ano foi uma aula inteira . Ano absolutamente preenchido e um no stop nos objetivos. Aprendi em vários sectores da minha vida pessoal e profissional várias lições que me fizeram crescer. Também os erros estiveram presentes, mas isso fica para um posterior texto sobre o que preciso de mudar. Vamos fazer a lista do bem?

 

POUPANÇA

Poupança foi a grande palavra de 2017. Defini isso logo no inicio e correu lindamente. Grandes melhorias neste campo contribuíram para diminuir os valores de stress. Foram tempos de muita pesquisa e aprendizagem. Deu-me mais espaço para uma vida minimalista e sem a confusão da tralha. O meu calcanhar de Aquiles eram os livros. Acabei por superar esse problema, hoje sou mais feliz a comprar livros só depois de várias leituras concluídas. Pondero mais a lista, as leituras. Equilibro bem entre as parcerias e a minha vida pessoal. No próximo ano pretendo criar vários mealheiros distintos com objetivos concretos e valores definidos. Criei uma lista de desejos, o plano está a ficar mais detalhado e definido. 

 

PERDÃO

Perdoar os outros deu-me espaço mental para eliminar certos pensamentos. Não remoer como antigamente contribuiu muito para encontrar outras pessoas e viver em paz. Perdoar e não alimentar o rancor foi necessário para ultrapassar várias situações. Consegui conversar em harmonia e com educação com pessoas que me magoaram sem nenhum problema. Ultrapassei as situações mais rápido em vez de escrever vezes sem conta sobre o assunto, ou mandar indiretas desnecessárias. O ambiente limpo atrai boas energias. Este blog ajudou-me a deitar para fora o mau e focar-me só no que é bom.

 

AFASTAR

A arte de cortar pela raiz permitiu-me afastar definitivamente as pessoas que contribuíam para senti-me mal, desanimada, desconfiada. Consegui afastar pessoas sem lamentos. Consegui dizer não nos momentos certos. A vida tem outras mil pessoas e que isto são só encontros breves. Não precisamos estar perto de pessoas que nos fazem sentir mal seja com atitudes ou palavras rudes.  A vida não prodigue com energias más.

 

 

ESTUDAR

Em setembro comecei a estudar. Foi a melhor decisão de todas. Estudar abriu-me os horizontes, trouxe-me pessoas especiais. Sinto-me feliz no curso. Estagnar não faz parte dos meus planos para estar bem comigo mesma. Quando existe muita força de vontade os obstáculos desaparecem. Seja em que situação for. O primeiro período está quase a terminar e ainda sinto a mesma motivação de sempre. Quero continuar a estudar, e talvez aprofundar os conhecimentos em determinadas áreas.

 

VIAJAR

Experimentei viajar pela primeira vez este ano. Fui até Paris. E claro, faço questão de continuar a viajar no próximo ano. Ainda estou a escolher a próxima cidade. Tantos são os destinos maravilhosos disponíveis. Viajar é vida. Portanto, força na poupança.

 

ORGANIZAÇÃO

Desde que comecei a usar o meu Bullet Journal os meus dias são mais organizados. Vou continuar com o meu caderno Leuchtturm 1917 . É indispensável na minha vida. 

 

LEITURA

Os hábitos de leitura são para a vida toda. Este ano aprendi a ler de outra forma, com outro olhar. Pretendo manter a minha paixão através das partilhas, encontros literários e não só. Não vou esperar pela idade da reforma para ler seja o que for. Este ano foi mais calmo, mas li mais. Engraçado, não é?  Não participei em maratonas literárias, li ao meu ritmo. Não tenho paciência para certos desafios. Vou manter esta postura no próximo ano. Vou manter o Clube dos Clássicos Vivos, o projeto Ler os Nossos e estou satisfeita. Quanto aos formatos do canal e blog pretendo manter tudo o que comecei em setembro.

 

ESCRITA

Manter os blogues e dedicar-me a um projeto muito pessoal dedicado à escrita. A escrita está presente na minha vida desde que me lembro mas foi em 2017 que adquiri a coragem. Este blog deu-me mais força para dedicar-me mais à escrita. Sobretudo pelo feedback dos leitores. Obrigada. 

 

ACREDITAR

Quero continuar a acreditar nos meus principios, valores e objetivos. Quero continuar com este espírito positivo e determinado. Quero levar para 2018 esta força, estas aprendizagens e superar-me. Quero ter a certeza que nos dias em que não faço rigorosamente nada é porque mereço. Quero trabalhar mais, ser mais e construir algo muito bom. Quero acreditar que consigo e caminhar nesse sentido. 

 

 

E por aí? O que vão manter em 2018?